Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/10/2010

Brasil tem papel fundamental nas negociações

País só cumpriu duas das 51 metas nacionais de 2010, mas, ainda assim, foi quem mais fez pela biodiversidade.

O Brasil tem um papel central nas negociações da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB). Detentor da maior biodiversidade e uma das economias mais fortes do mundo, posiciona-se como um interlocutor estratégico entre os países em desenvolvimento e os desenvolvidos. “Esperamos uma demonstração forte de liderança do Brasil em Nagoya”, disse ao [BOLD]Estado[/BOLD] o superintendente de Conservação da WWF-Brasil, Cláudio Maretti.

Segundo ele, o País chega “com moral” à conferência. “Claro que ainda há muita coisa por fazer. Mas, se você comparar com o resto do mundo, o Brasil foi quem fez melhor a lição de casa”, avalia Maretti.

Isso, apesar de o País ter cumprido apenas 2 das 51 metas nacionais sobre biodiversidade estabelecidas para 2010, segundo um relatório submetido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) à CDB no início deste mês. Elas foram a publicação de listas de espécies ameaçadas e a redução de 25% do número de focos de calor por bioma.

A criação de áreas protegidas e a redução do desmatamento renderam elogios ao Brasil nos últimos anos, mas não foram suficientes para atingir os compromissos nacionais nessas áreas. A meta era ter 30% da Amazônia e 10% dos outros biomas protegidos por unidades de conservação (sem contar terras indígenas) em 2010. Segundo o relatório do ministério, chegou-se a 27% na Amazônia, 7,3% na Caatinga, 8,4% no Cerrado, 8,9% na Mata Atlântica, 3,5% no Pampa, 4,8% no Pantanal e 3,1% na Zona Costeira e Marinha. “O Brasil foi bem na Amazônia, mas varreu para baixo do tapete os problemas dos outros biomas”, avalia Maretti.

“Tivemos algumas conquistas, mas mesmo assim nos saímos muito mal, a exemplo do resto do mundo”, diz o diretor executivo da Conservação Internacional no Brasil, Fábio Scarano.

Recursos escassos. Uma das questões mais estratégicas da negociação em Nagoya é o apoio financeiro dos países desenvolvidos a programas de conservação da biodiversidade nos países em desenvolvimento. O Brasil defende um repasse global mínimo de US$ 1 bilhão ao ano.

Cerca de 20% do território brasileiro é coberto por unidades de conservação. Mas menos de 1% do orçamento federal é investido em gestão ambiental de uma forma geral, segundo o relatório nacional submetido à convenção.

“Acho até incoerente um país como o Brasil esperar que a solução de seus problemas ambientais venha de capital externo”, diz o secretário de Biodiversidade e Florestas do MMA, Bráulio Dias. “O investimento externo tem de ser complementar a esforços internos, mas o País não investe o suficiente para fazer o que é necessário.”

Segundo o diretor de Áreas Protegidas do ministério, Fábio França de Araújo, a área total de unidades de conservação do Brasil aumentou 80% desde 2000. Mas o orçamento para a gestão dessas áreas permaneceu praticamente igual.


Fonte: O Estado de S. Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

14/08/2020 às 16:49

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1612 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey