Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


13/10/2010

Projeto refaz floresta no vale do Paraíba

Corredor ecológico da mata atlântica pode ganhar reforço de lei que prevê pagamento por serviços ambientais. Guaratinguetá deve votar legislação que dá até R$ 5.000 anuais a pequeno proprietário "verde" ainda neste mês

Pequena área de mata reconstruída perto da nascente na zona rural de Guaratinguetá

"Plantar floresta dá trabalho, principalmente se você quiser fazer a coisa do jeito certo", brinca Paulo Valladares Soares, geólogo de formação e secretário-executivo da Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba.
Diante das encostas artificialmente nuas da serra da Mantiqueira em Guaratinguetá (SP), privadas da mata atlântica que as cobria por fazendas de café há muito falidas, fica claro o quanto vai dar trabalho replantar a floresta. E ainda mais na escala desejada pelo projeto do corredor ecológico: 150 mil hectares em dez anos, uns 10% da área do vale do Paraíba.
Há, no entanto, uma ou duas razões para ser cautelosamente otimista.
A primeira tem a ver com uma lei municipal que, se tudo caminhar como Soares e seus colegas esperam, deve ser aprovada ainda neste mês pelos vereadores de Guaratinguetá. O plano: pagar até R$ 5.000 anuais a pequenos proprietários que replantarem ou conservarem a mata nativa de suas terras.

VALE QUANTO PESA
O conceito, conhecido como pagamento por serviços ambientais, parte do princípio de que terras florestadas têm um valor econômico que vai além da madeira que se pode extrair delas. A mata é um purificador e produtor de água; funciona como fiel da balança da qualidade do solo -coisas que, cada vez mais, valem um bom dinheiro.
Outra razão para achar que o plano, afinal, pode funcionar: o mapa detalhado das futuras conexões entre pedaços hoje isolados de mata atlântica, que acaba de ser traçado por pesquisadores da Faculdade de Engenharia da Unesp de Guaratinguetá.
Passando rapidamente pelas páginas da apresentação de Powerpoint, Pedro Ivo Camarinha e Carolina Cassiano Ferreira, coautores do novo estudo, mostram como buscar um caminho de menor resistência entre a paisagem já muito ocupada pelo homem.
Variáveis como estradas, qualidade do solo, relevo e até nível educacional dos municípios do vale do Paraíba ajudam a traçar a estratégia. Áreas de mata nativa nas fazendas da empresa de produtos florestais Fibria, uma das parceiras particulares do projeto, devem servir como "âncoras" para vários dos pedaços do corredor, por serem relativamente grandes.
"Parando para pensar hoje, dá para ver que o café e outros ciclos de monocultura aqui no vale foram um erro, porque a vocação econômica aqui é a florestal", explica Silvio Simões, professor da Unesp. "O solo é relativamente pobre, raso e ácido, mas as espécies florestais convivem bem com isso."
A equipe do projeto diz temer que reconstituir a floresta, por si só, não seja suficiente para que ela continue ela "nos próximos 10, 50 ou 500 anos", afirma Soares. Por isso, a ideia é combinar as reservas de mata nativa com eucalipto ou outras espécies que possam ser exploradas comercialmente.
"Temos de achar uma maneira de integrar a mata às propriedades. Se ela continuar sendo uma coisa estranha, um elemento deslocado, ela vai acabar não durando", filosofa o geólogo.

Frase

"Parando para pensar hoje, o café e outros ciclos de monocultura aqui no vale foram um erro, porque a vocação econômica aqui é a florestal. O solo é relativamente pobre, raso e ácido, mas as espécies florestais convivem com isso"
SILVIO SIMÕES
professor da Unesp

"Temos de achar uma maneira de integrar a mata às propriedades. Se ela continuar sendo um elemento deslocado, vai acabar não durando. Reconstruir a floresta, por si só, pode não ser suficiente"
PAULO VALLADARES SOARES
Geólogo e secretário-executivo da Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba

Sitiante diz ter orgulho de mata com pau-brasil da idade de neta

DO ENVIADO A GUARATINGUETÁ (SP)

Ana Clara, 3, já é grandinha o suficiente para caminhar por entre as árvores. Mas prefere ficar no colo da avó, Maria Helena da Silva Assis, 57, enquanto a sitiante mostra a pequena área reflorestada em sua propriedade.
"Nada crescia aqui quando eu cheguei. Na seca, o solo rachava", conta ela. Hoje, ela chama de "meu orgulho" o pau-brasil plantado junto com as outras espécies nativas, e faz questão de lembrar que a mata-bebê tem a mesma idade de sua neta.
Coincidência ou não, a falta d'água e a pobreza acentuada do solo costumam ser o destino das áreas privadas da mata atlântica original no vale do Paraíba. Sem o efeito estabilizador das árvores, a tendência é que nascentes e riachos fiquem assoreados, e que a erosão leve embora o solo naturalmente raso.
Além de ajudar a contornar esse problema, concentrando suas ações em áreas de nascentes, topos de morros e beiras de rios, o corredor ecológico tem como objetivo principal enfrentar outro problema de fragmentos isolados de floresta: eles tendem a morrer de morte lenta.
É que pedaços isolados de mata são, para todos os efeitos, ilhas. São poucas as espécies animais e vegetais que conseguem atravessar, por exemplo, um cafezal, para alcançar uma nova mancha de floresta do outro lado.
Na prática, isso induz cruzamentos apenas entre os habitantes do mesmo fragmento de floresta -os quais, com frequência, são parentes. E, assim como entre humanos, a reprodução entre primos de primeiro grau ou até irmãos facilita o aparecimento de doenças genéticas potencialmente letais.

VERBA


Por enquanto, um dos principais desafios do projeto do corredor é o dinheiro. O principal compromisso por enquanto é o da empresa Fibria, que vai apoiar o plantio de 28 mil hectares de mata nativa, junto com uma área equivalente de eucalipto em parceria com proprietários rurais da região. O projeto busca outros apoios da iniciativa privada.


Fonte: Folha de S. Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


José Maurício Mendes da Costa disse:

17/01/2011 às 16:09

Eu, hoje com 60 anos, estou procurando um curso para ter conhecimento de FLORESTAS quando deparei com este projeto.Tenho uma pequena propriedade no sul de Minas Gerais.(Itanhandu) e venho a tempo tentando a aumentar a quantidde de árvores nativas. Eu já consegui uma boa melhora, principalmente na proteção das nascentes.
Vejo também que na região que estou um grande erro esteve e está sendo cometido, com as fazendas e sítios voltados para a produção de leite; não respeitam nada.
Sempre pensei, que a lei deveria ser mais exigente com relação a APP e com as matas ciliares.
Para encentivar os proprietários a conservar mais do exigido, deveria existir uma remuneração
anual.

Gostei muito do projeto.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2913 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey