Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/10/2010

Setor de celulose espera crescer 3,7% em 2010

A previsão para 2010 acende refletores para novas oportunidades: a produção de celulose deve atingir 14 milhões de toneladas, o que representa um avanço de 3,7%.

“O setor de celulose e papel vai muito bem obrigado”. A frase que tem uma conotação popular reflete bem o momento atual do setor no cenário econômico brasileiro. A previsão para 2010 acende refletores para novas oportunidades: a produção de celulose deve atingir 14 milhões de toneladas, o que representa um avanço de 3,7%. Já o papel alavanca um salto de 3,5%, totalizando uma produção de 9,5 milhões de toneladas. No quesito vendas domésticas espera-se cerca de 5,3 milhões de toneladas (6,5%). As exportações devem atingir 6,3 milhões de toneladas, ou seja, 25% de crescimento.

Os dados numéricos são resultantes de uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), com apoio de informações da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa) - denominada “Sondagem junto aos associados” e foram apresentados nesta segunda-feira (4) durante coletiva de imprensa e panorama setorial do 43º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel do ABTCP-TAPPI 2010. O evento acontece no Transamérica Expo Center, em São Paulo até o próximo dia 6.

A sondagem indica um novo ciclo de investimentos para o setor de C&P até o ano de 2020 que deve alcançar a média de US$ 20 bilhões. A injeção deste aporte pretende dinamizar o volume de produção e consequentemente multiplicar os números do setor. Espera-se até 2020 um aumento de 57% em produção, o que deve indicar um volume de 22 milhões de toneladas de celulose e 12,7 milhões de toneladas de papel, ou seja, 34% de crescimento nos próximos 10 anos.

Segundo o presidente da ABTCP, Lairton Leonardi, a pesquisa realizada detectou os principais segmentos de atuação das empresas associadas à entidade. Hoje, o setor de celulose ainda lidera o ranking, seguido por papel e embalagem, papel tissue, papel off set (imprimir e escrever) e ainda por outros segmentos incluídos num percentual de 25%. “Esta sondagem foi feita com associados e contemplou a participação de pequenas, médias e grandes empresas”, explica Leonardi.

Para os dirigentes da entidade, o segmento de papel ainda não tem um crescimento suficientemente forte, por conta de hábitos do brasileiro a serem conquistados, também pelo baixo nível de educação e principalmente pelo fomento à leitura ainda ser insuficiente em todo o País.

Diante da perspectivas de investimentos, fica uma pergunta no ar: para onde vão estes investimentos? Os dirigentes da ABTCP analisam que tecnologia é um dos fatores que merece atenção, com cerca de 15% do bolo, enquanto a expansão de capacidade chegará à média de 13%. A aquisição de ativos florestais deverá ter um aporte de 37%, além de, ampliação de plantas, novas plantas, pesquisa e desenvolvimento, logística, automação industrial, entre outros.No que se refere às áreas contempladas, a grande vedete é ainda a celulose, que deve levar cerca de 25% do capital investido.

Parece que há um consenso em todo o setor de que a sustentabilidade é a grande mola mestra para equilibrar as ações e resultados para todos. “Falarmos do futuro sem falarmos da sustentabilidade não tem sentido”, expressou o presidente da ABTCP. Tudo indica que as empresas do setor estão preparadas para investir em causas ambientais e quem não está pronto para esta meta, terá que se ajustar urgentemente. Tratamento de efluentes, regulamentação conforme certificações de ISO/FSC, controle de poluição e efluentes, sistema de gestão integrado, crédito de carbono, avanço tecnológico, projetos e programas socioambientais, criação de reservas de área natural, qualificação de mão de obra estão na mira dos gestores.

A previsão para 2010 acende refletores para novas oportunidades: a produção de celulose deve atingir 14 milhões de toneladas, o que representa um avanço de 3,7%.

No ambiente interno brasileiro, os investimentos têm destino certo: Sul e Nordeste são os principais alvos, sendo esta última região a nova fronteira que chama a atenção de grandes grupos do setor. O Mato Grosso do Sul também descortina muitas oportunidades de expansão e crescimento.

Para o gerente técnico da ABTCP, Afonso Moura, há também uma movimentação internacional silenciosa, que com o tempo vai gerar possibilidades para o Brasil. “Estivemos recentemente num congresso tal como este, na China, e percebemos que há uma saturação na indústria de lá, com fechamento de 2 mil fábricas, o que vai consequentemente afetar o abastecimento daquele pais”. Na ótica dele, com essa sinalização de pontos frágeis da potência chinesa, a América Latina pode assumir uma importante posição de fornecedora de celulose. “Brasil, Chile e Uruguai têm condições de assumir este papel”, comenta.

Salto Econômico

Apesar de números indicarem uma evolução constante do setor e muitas oportunidades, há riscos e desafios para se vencer. O professor de economia da PUC-SP, Renaldo Gonsalves, analisa que a retomada de crescimento num espaço curto de tempo, após a crise de 2008, deixa o setor bastante competitivo.

Outro fator que coloca o Brasil numa posição aparentemente confortável é a competitividade que o País adquiriu, garantindo o quarto lugar em produção de celulose e o nono na produção de papel, o que gera oportunidades à vista. “Outros países não têm isso”, comenta o gerente técnico da ABTCP, Afonso Moura. “Somos o único País que cresceu no setor neste ritmo no ano passado, passando a Itália e a França”, complementou a representante da Bracelpa, Simone Nagai durante panorama setorial da ABTCP.

Mas nem tudo são flores. O setor produziu mais, porém a receita de exportação foi menor, em função da desvalorização do dólar e dos grandes estoques internacionais. A executiva deixou um alerta para a plateia: “o Brasil está na moda, mas toda moda passa”. Segundo ela, é preciso driblar pontos estratégicos que ainda dificultam o crescimento do setor, como guerra fiscal, tributação, burocracia do governo, falta de logística. “O setor é sólido, temos base, mas precisamos mostrar para o Governo que estamos dispostos a contribuir com as políticas públicas”, expressa


Fonte: Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

29/05/2020 às 20:21

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2273 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey