Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


17/09/2010

A ascensão do eucalipto

Segundo o IEA/SP, a rentabilidade do eucalipto é maior que a do boi em São Paulo e pode empatar ou superar a da cana-de-açúcar. São Paulo possui 800 mil hectares de eucalipto, o líder do ranking é MG com 1,3 milhão de hectares de área plantada.

Francisco Cândido da Silva é um português da ilha da Madeira que imigrou para o Brasil há quase 60 anos. Na época, ele preferiu a mudança a correr risco de ser convocado pelo exército e enviado para a África para combater os movimentos separatistas nas antigas colônias nde Angola e Moçambique, durante a ditadura salazarista (Antônio de Oliveira Salazar governou Portugal de 1932 a 1968). Francisco deixou a família em uma pequena propriedade produtora de banana e açúcar e prometeu que algum dia voltaria a viver no campo- se não em Portugal, pelo menos no Brasil.
 
Seu Chico, como é mais conhecido, cumpriu atividades diferentes, em várias cidades brasileiras, até se aposentar por uma multinacional da área química na região metropolitana de São Paulo. Filhos criados, decidiu retornar sua jura e comprou um sítio em Salesópolis, não muito longe da capital paulista. Na época, seu projeto resumia-se a uma vida da mais pacata possível, compequenos cultivos de hortaliça, umas galinhas no quintal, um porquinho ou dois. A zona rural do munícipio passava, porém, por grande transformação. Pequenos e médios produtores rurais há muito estabelecidos naregião começavam a investir pesado no plantio de eucalipto.

A sivicultura tornou-se uma alternativa rentável naquelas áreas montanhosas, de baixa fertilidade- por isso mesmo menos disputadas pela agricultura tradicional. Tais áreas são inviáveis até mesmo para grandes empresas de papel e celulose, que precisam de terras planas para mecanizar o plantio e a colheita dos eucaliptais. Há sete anos, Seu Chico decidiu propor sociedade aos três filhos e a um amigo na formação de 36 hectares com essa árvore originária da Austrália e que começou a ser explorada comercialmente no Brasil no início do século XX. Agora, ele se prepara para colher 10,5 mil m³ de madeira. Seu Chico Cândido poderia antecipar o corte para cinco anos como muitos fazem, mas prefere extrair toras mais grossas, mais valiosas- por isso cumpre o ciclo de seis a sete anos, do plantio à primeira extração.

O atrativo para agricultores como ele está no valor do produto. O pagamento mínimo pe de R$50 por metro estéreo- medida de volume para a lenha (um metro cúbico equivale a 1,55 metro estéreo). E o custo de prodição fica em torno de R$22.

"A conta inclui contratação de trabalhadores para o corte e transporte da madeira", informa Seu Chico. O produtor José Renó do Prado, diretor da Cooperativa Agrícola Mista do Alto Tiête (Camat), que reúne 140 produtores, vê no eucalipto uma das únicas alternativas para a região.

"A cultura tem manejo simples e necessita de pouco capital". Segundo ele o investimento inicial é de R$0,25 na compra da muda e mais R$2 para cada metro estéreo- nas aplicações de adubo, herbicida e limpeza da área.
Dos 800 mil hectares de eucaliptais de São Paulo, 20% são conduzidos por pequenos e médois agricultores, conforme levantamento do Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secreataria da Agricultura de São Paulo.

Os dados apontam que, em 1995, eles eram 30 mil produtores; em 2008, já somavam 44 mil. Na avaliação do pesquisador Eduardo Pires Castanho Filho, a ocupação com a cultura vem ocorrendo em especial nas áreas de pastagens degradadas. "A pouca exigência por solos férteis é mais um atrativo do eucalipto, que não entra na disputa como outras culturas que necessitam de mais adubação", explica. O outro estímulo oferecido pela cultura é que, após ser cortada, brota por mais duas vezes, em um ciclo que dura 15 anos. No entanto, é na contabilidade final que o plantio se mostra mais rentável para o produtor. na comparação do IEA, a rentabilidade anual da criação de gado em São Paulo, nos últimos cinco anos, foi de R$150 por hectare. No mesmo período, a do eucalipto chegou a atingir R$1 mil, superando às vezes a da cana-de-açúcar, que oscila entre R $800 e R$ 1 mil.

Pela primeira vez, Jovinal de Mello Bruno lida com esse plantio. Na juventude ele trabalhou com a criação de animais e o cultivo de hortaliçascom a família. Depois, arrumou emprego em São Paulo, mas percebeu que poderia voltar para Salesópolis se trabalhasse com eucaliptos. Ele se juntou ao pai e ao sogro, em uma área de 12 hectares, e produzem entre 1,6 mil e 2,2 mil metros estéreos a cada cinco anos. Presidente da Camat desde o ano passado, Jovinal, avalia que os agricultores estão amis animados, por conta do crescimento do mercado de construção civil. Por essa razaão, ele e os associados sentiram a necessidade da instalação de uma serraria dentro da cooperativa. A intenção é processar a madeira e vender diretamente para as construtoras.

Nas contas da Camat, se a comercialização for feita messes moldes, o ganho torna-se 60% maior, porque existe a separação das partes nobres da árvore. José Renó explica que o eucalipto tem a "torinha" parte com maior diâmetro da árvore ( em torno de 4 metros) e altura média de 2,2 metros. Ela vale R$100 por metro estéreo. " Mas não tem diferença alguma se vendida para as indústrias de papel e celulose", comenta. Dos 500 mil metros cúbicos de madeira produzidos por ano em Salesópolis, 30% estão sendo direcionados para a construção civil. "Até o ano passado, ficava em torno de 15% a 20%".

Mas é a indústria de papel e celulose que compra a maior parte do eucalipto, em torno de 29 milões de metros cúbicos dos 45 milhões produzidos por ano no estado. Conforme a Associação Brasileira do Produtores de Florestas Plantadas (ABRAF), as grandes companhias do setor preparam investimentos de US$ 5,5 bilhões nos próximos anos com novas instalações no estado do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul, Maranhão e Piauí.


Fonte: Globo Rural citado por Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

01/10/2020 às 10:45

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3658 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey