Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/09/2010

Fabricantes temem falta de papel-cartão

O forte crescimento nas vendas das indústrias de alimentos, cosméticos, higiene pessoal e limpeza levou as fabricantes brasileiras de papel-cartão a operar no limite da capacidade, ampliou prazos de entrega de embalagens e reforçou os temores de que poderá faltar esse tipo de papel no mercado interno até o fim do ano, sazonalmente mais forte por conta do Natal.

O forte crescimento nas vendas das indústrias de alimentos, cosméticos, higiene pessoal e limpeza levou as fabricantes brasileiras de papel-cartão a operar no limite da capacidade, ampliou prazos de entrega de embalagens e reforçou os temores de que poderá faltar esse tipo de papel no mercado interno até o fim do ano, sazonalmente mais forte por conta do Natal. A significativa expansão no consumo doméstico, associado a quedas brandas nas exportações e à importação decrescente, por conta de escassez no mercado internacional e dos custos elevados da operação, alimentou receios de desabastecimento entre os consumidores e da ocorrência de "surto de demanda" entre os produtores.

Para se ter uma ideia da dinâmica do mercado, o mais recente investimento no setor, de R$ 2,2 bilhões, executado pela Klabin em 2008, superou todas as expectativas. A maior fabricante nacional de papéis para embalagens inaugurou em meados de 2008 uma nova máquina de papel-cartão, com capacidade para 350 mil toneladas anuais, que hoje opera a plena capacidade. Inicialmente, a previsão era a de que atingisse 100% de ocupação somente em 2011. Agora, a companhia avalia instalar uma nova linha, superior à que entrou em operação quase que em plena crise econômica.

Atentas ao nervosismo que se instalou no mercado doméstico, as principais fabricantes brasileiras estão pedindo a seus clientes que planejem encomendas com antecedência. De acordo com Suzano Papel e Celulose e Klabin, não há risco de desabastecimento. Porém, com o maior volume de pedidos diante do fim do ano, é possível que clientes que não têm contratos de longo prazo, ou queiram elevar repentinamente os volumes comprados, fiquem a ver navios.

Do início do ano até julho, as encomendas domésticas de papel-cartão acumulam alta de 29%, para 334 mil toneladas, de acordo com dados da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa). É o maior volume já comercializado internamente em toda a história. No mesmo período, as exportações recuaram 2,5%, para 134 mil toneladas, e as importações recuaram 5%. Na Suzano, somente um dos clientes, uma rede de fast food, aumentou em 40% o volume encomendado em julho, mês que também foi marcado por recorde de vendas. "Não vai faltar produto desde que a indústria se prepare. Estamos redirecionando cartão para o mercado interno, mas isso não é instantâneo", explica o diretor da unidade de negócio papel da Suzano, Carlos Anibal.

Conforme o executivo, o ciclo de venda de papel-cartão no mercado internacional é de 90 a 120 dias - ante no máximo 30 dias no doméstico -, o que impossibilita o direcionamento imediato de volume maior para consumo interno. "O que estou entregando hoje lá fora foi vendido há três, quatro meses. E não posso deixar de cumprir esses contratos", afirma. Na Klabin, o cenário é o mesmo. "Algumas flutuações a indústria até pode atender. Mas é fundamental que haja planejamento", diz o diretor da unidade de papéis-cartões da companhia, Edgard Avezum Junior.

O aperto na oferta de papel-catão deveu-se a uma combinação de fatores, incluindo eventos não recorrentes que contribuíram para a escassez de produto no mercado internacional. Internamente, a crise econômica levou toda a cadeia - fabricantes, distribuidores, gráficas e consumidores - a reduzir estoques, que ainda não voltaram aos níveis históricos em razão do crescimento mais forte do que o esperado na demanda. No front externo, a interrupção na produção de papéis da CMPC no Chile, por conta do terremoto que abalou o país no começo do ano, e uma greve na Finlândia, que dificultou o escoamento de cartão para outros mercados, reduziram o volume ofertado, o que se reflete na queda das importações brasileiras apesar do aquecimento interno. "Os estoques estão muito baixos. Por isso é preciso, mais do que nunca, planejar", reitera Anibal.

Segundo Dennis Ribeiro, diretor do Departamento de Economia e Estatística da Abia, entidade que representa a indústria de alimentos, as encomendas de embalagem devem crescer em outubro. "O Natal da indústria ocorre em novembro", explica. "E a dificuldade de encontrar embalagens específicas é uma possibilidade que existe". Até julho, o faturamento do setor de alimentos acumula alta real de 6%.


Fonte: Valor Econômico/Adaptado por Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/04/2019 às 03:53

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2424 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey