Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/05/2010

Clima e Comércio Após o Encontro de Copenhague

Na relação mudanças climáticas e comércio, países em desenvolvimento preocupam-se com a nova geração de barreiras comerciais.

Na relação mudanças climáticas e comércio, países em desenvolvimento preocupam-se com a nova geração de barreiras comerciais.

O Acordo de Copenhague trouxe avanços em compromissos internacionais sobre mudança do clima. No entanto, apenas reconheceu os "potenciais impactos" das "medidas de resposta" - em linguagem diplomática, a noção de que medidas comerciais relacionadas ao combate ao aquecimento global adotadas por um país podem gerar danos econômicos e sociais a outros. Na prática, o acordo não oferece soluções sobre os limites de interação entre as regras internacionais de comércio e aquelas relativas ao clima.

Desde a COP-13, em Bali, a relação entre clima e comércio tem avançado em três eixos de discussão: a liberalização de bens e serviços ambientais; o estímulo à transferência de tecnologias ambientais e de energia limpa; e a utilização de subsídios e medidas comerciais para redução dos custos de ajuste incorridos por setores intensivos em energia e expostos à concorrência internacional. Apenas os dois últimos fazem parte das negociações no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e do Protocolo de Kyoto.

O primeiro eixo, já parte da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), incorpora proposta dos EUA e de outros países desenvolvidos para sua retirada do pacote único dessa negociação com a justificativa de que sua vertente equivalente sobre mudança do clima exige soluções imediatas. Os países que formam o Basic - Brasil, África do Sul, Índia e China - são contrários. O Brasil, em particular, só aceita negociar o tema fora da OMC se as barreiras ao etanol forem incluídas na lista de obstáculos a serem eliminados.

O segundo eixo replica, na negociação sobre clima, a retórica da liberalização comercial como forma de países emergentes acessarem tecnologias limpas. Destaca-se, nessa discussão, a proposta da China, apoiada pelo Basic, em favor da flexibilização dos direitos de propriedade intelectual. A proposta sugere que países desenvolvidos viabilizem a transferência de tecnologia para países em desenvolvimento no contexto das ações de mitigação e adaptação à mudança do clima. Não há, no entanto, posições claras sobre como torná-la operacional.

O terceiro eixo examina, de um lado, o crescente uso de subsídios nos regimes domésticos dos países desenvolvidos - concessão gratuita de licenças de emissões para setores regulados, subvenção à atividade agrícola por esquemas de offsets e transferência de recursos em condições favoráveis para programas de investimento, desenvolvimento tecnológico e modernização industrial - e, de outro, a tentativa de uso de barreiras comerciais na fronteira para equalizar custos entre produtores domésticos e exportadores de países sem regimes "comparáveis" de combate à mudança do clima. De fato, trata-se do eixo mais relevante. A provável aprovação de legislação norte-americana com a inclusão de barreiras comerciais e a agressiva retórica francesa nessa mesma direção são exemplos alarmantes.

Resultaram da COP-15 três propostas nessa última área.

A primeira é de autoria dos EUA e conta com apoio da União Europeia. Trata-se de uma "não proposta", pois apenas reafirma o princípio previsto no Art. 3.5 da Convenção: o de que um país pode adotar medidas comerciais relacionadas à estabilização do clima desde que estas não resultem em discriminação arbitrária ou injustificada, ou em restrições disfarçadas ao comércio.

A segunda é de autoria da Índia e conta com apoio da China. Trata-se de proposta que cria proibição para qualquer medida unilateral adotada por país desenvolvido contra bens e serviços importados de países em desenvolvimento em nome da estabilização do clima, do combate ao "vazamento de carbono" ou da equalização dos custos de ajuste à legislação ambiental doméstica.

A terceira é de autoria do Brasil e conta com apoio da África do Sul. Diferente da versão norte-americana, implementa a Convenção, pois especifica que os países não devem adotar barreiras comerciais relacionadas ao clima, em especial medidas unilaterais de natureza fiscal e não fiscal aplicadas na fronteira. No entanto, difere-se da proposta indiana, pois não cria proibição total - ao contrário, permite que medidas sejam adotadas, desde que não constituam discriminação arbitrária ou injustificada, ou resultem em restrições disfarçadas ao comércio.

A proposta da Índia, embora percebida pelos que a apoiam como a panaceia para as barreiras comerciais, cria outros problemas. Primeiro, discrimina entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, o que é inconsistente com o princípio da Nação Mais Favorecida da OMC. Segundo, parte da premissa de que qualquer medida comercial relacionada ao clima não acordada de forma multilateral é protecionista. Terceiro, cria proibição inconsistente tanto com a competência da UNFCCC, como com as exceções gerais da OMC utilizadas como justificativas para políticas ambientais (Artigo XX do GATT).

A proposta do Brasil, mais equilibrada, implementa a Convenção e envia sinal político à OMC de que o assunto precisa ser negociado no fórum apropriado. Captura, também, a preocupação dos países em desenvolvimento com a nova geração de barreiras comerciais. Ademais, é, do ponto de vista político e negociador, mais realista que a indiana.

Os EUA, por razões óbvias, não aceitarão proibição às medidas previstas em sua legislação doméstica. Assim, a proposta defendida pela Índia e pela China pode, em nome de tentar resolver o que é urgente (evitar barreiras comerciais), não solucionar o que é importante: a inclusão, no acordo sobre clima, de disposições que possam amparar o Órgão de Solução de Controvérsias da OMC em eventuais disputas comerciais e que criem condições para o futuro tratamento do tema nessa organização.

Em 2010, os debates prosseguirão e seus resultados terão impacto significativo e de longo prazo para as regras internacionais sobre comércio e para o setor exportador brasileiro.

Antonio Josino Meirelles Neto é Relações Internacionais da CNI.

Carolina Lembo é especialista em energia da FIESP.

Diego Z. Bonomo é diretor executivo da Brazil Industries Coalition (BIC).
 

Para mais informações clique aqui.


Fonte: FAEMG



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/04/2019 às 10:18

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1689 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey