Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


27/05/2010

Restam Apenas 11% de Remanescentes Florestais da Mata Atlântica no ES

Dos mais de quatro milhões de hectares de mata atlântica originais existentes no Espírito Santo, apenas 507 mil hectares ainda resistem. A informação está no Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, divulgado, nesta quarta-feira (26), pela ONG SOS Mata Atlântica.

Dos mais de quatro milhões de hectares de mata atlântica originais existentes no Espírito Santo, apenas 507 mil hectares ainda resistem. A informação está no Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, divulgado, nesta quarta-feira (26), pela ONG SOS Mata Atlântica. Segundo o levantamento, que é parcial, a taxa de desmatamento no Estado só não é maior porque, dos 78 municípios, apenas 17 foram avaliados.

Segundo o Atlas, tanto a floresta quanto a restinga e o manguezal continuam desaparecendo no Estado, tendo como líderes da degradação os municípios de Vitória e Alfredo Chaves, seguidos de Colatina, Domingos Martins, Muniz Freire e Muqui.

Ao todo, o levantamento apontou desflorestamento nos 17 municípios analisados. São eles: Vitória, Alfredo Chaves, Colatina, Domingos Martins, Muniz Freire, Muqui, Conceição do Castelo, Mimoso do Sul, Atílio Vivacqua, Marechal Floriano, Ibitirama, Vila Velha, Castelo, Boa Esperança, Santa Leopoldina, Ibatiba e Afonso Cláudio (listado como o que menos desmatou).

Apenas esses 17 municípios foram responsáveis pela destruição de 160 hectares de remanescentes da mata atlântica no Espírito Santo. A presença do município de Alfredo Chaves no topo da lista do desmatamento, inclusive, gerou surpresa entre os ambientalistas. Isto porque a região estava entre as áreas com as maiores áreas de cobertura vegetal nativa do Estado.

Por se tratar de um laudo parcial da ONG, ambientalistas lembram que a degradação é maior, se avaliados os 61 municípios capixabas restantes, o que, segundo eles, merece a atenção das autoridades.

Segundo a SOS Mata Atlântica, os dados, avaliados no período de 2008-2010, mostram que o desmatamento na floresta nativa continua, e é preciso que as políticas públicas que incentivam a conservação e a fiscalização atuem de maneira mais efetiva para garantir a manutenção da floresta e, por consequência, dos serviços ambientais para milhões de pessoas que dependem de seus recursos naturais.

A informação é que se os 61 municípios que não foram analisados pela ONG desmataram, proporcionalmente aos 17 municípios avaliados, cerca de 640 hectares de mata atlântica de 2008 a 2010.

Além do Espírito Santo, mais oito estados foram analisados pela ONG. São eles Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, totalizando 94.912.769 hectares, ou seja, 72% da área total do bioma mata atlântica.

Dos nove estados analisados, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina foram os que mais desmataram no período. Os cinco municípios que mais perderam cobertura florestal nativa estão situados em Minas Gerais.

A realização do Atlas dos remanescentes florestais e ecossistemas associados do bioma Mata Atlântica já foi realizado nos períodos de 1985-1990, 1990-1995, 1995-2000, 2000-2005, 2005-2008 e 2008/2010.

A mata atlântica é um dos biomas mais ameaçados do mundo devido às constantes agressões e ameaças de destruição dos habitats nas suas variadas tipologias e ecossistemas associados.

“Esta é uma questão de sobrevivência dos 112 milhões de habitantes do bioma. A relação da floresta com a nossa vida nas cidades é direta. Precisamos saber de onde vem e a qualidade da água que consumimos, o tamanho do lixo que produzimos e do nosso consumo de energia, pois toda a nossa atividade causa impacto direto sobre o ambiente”, alertou a ONG.

Para mais informações clique aqui

 

 


Fonte: Século Diário citado pelo Portal Madeira Total



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


Luca Braga Bissoli disse:

18/11/2011 às 19:22

Precisamos de chamar a atenção das autoridades.A mata chora em favor da natureza vamos ajudar.

Luca Braga Bissoli disse:

18/11/2011 às 19:22

Precisamos de chamar a atenção das autoridades.A mata chora em favor da natureza vamos ajudar.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


12581 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey