Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/05/2010

Embrapa Adapta Motor Multicombustível

Um motor desenvolvido na Escócia, em 1816, pelo reverendo Robert Stirling pode voltar ao mercado após adaptações da Embrapa. Direcionado ao uso agrícola, o motor multicombustivel representa uma alternativa às comunidades sem acesso à energia elétrica, já que seu custo é menor do que o de motores convencionais e sua manutenção, mais simples.

Um motor desenvolvido na Escócia, em 1816, pelo reverendo Robert Stirling pode voltar ao mercado após adaptações da Embrapa. Direcionado ao uso agrícola, o motor multicombustivel representa uma alternativa às comunidades sem acesso à energia elétrica, já que seu custo é menor do que o de motores convencionais e sua manutenção, mais simples. O equipamento, que funciona graças à expansão e contração do ar em função da temperatura, apresenta boa economia de energia e pode ser abastecido com qualquer fonte de energia térmica, como álcool, biodiesel, madeira e carvão, entre outros.

Nesse motor, também chamado Stirling, há a transformação da energia calorífica, gerada pela queima dos combustíveis, em mecânica. Durante o processo ocorre a variação da pressão, proporcionada pela troca de calor entre o ar quente e o frio, que impulsiona o pistão e movimenta o motor. O ar aquecido se expande e aumenta a pressão interna, mas quando passa pela área de refrigeração se contrai e reduz tal pressão.

No equipamento tradicional, o movimento dos pistões gerava atrito e reduzia a durabilidade e rentabilidade do motor. Na adaptação promovida pela Embrapa, houve a redução dos atritos laterais, dos desgastes nos pistões e cilindros e ainda uma diminuição de 99,99% no ruído gerado. A nova articulação utiliza dois pistões de potência, com deslocamento de 450 cilindradas de ar e funciona com temperaturas entre 250 a 600º. “O inimigo desse motor é o atrito, porque gera calor que, presente na área de refrigeração, faz o rendimento cair”, afirma Aldemir Chaim, engenheiro agrícola e pesquisador da nova tecnologia na Embrapa Meio Ambiente.

A tecnologia do Stirling foi deixada em segundo plano em função do aparecimento de motores mais potentes, como os de combustão interna (gasolina, diesel) e os elétricos. Mas o custo da versão moderna desenvolvida pela Embrapa - entre R$ 150 e R$ 1 mil - e a variedade de opções de abastecimento são dois fatores capazes de impulsionar o uso do equipamento no Brasil, o que aumenta a expectativa da Embrapa na busca por parceiros que produzam o motor em larga escala.

Equipamento pode ser usado como gerador elétrico

Segundo o pesquisador Chain, um motor-gerador que produz 1 kW/h pode ser utilizado como gerador elétrico de emergência em residências urbanas, hospitais, no setor agrícola, entre outros. Outra vantagem deste motor é a ausência de manutenção em curto prazo. “Como não utiliza nenhum tipo de lubrificante, já que poderia prejudicar a qualidade do ar no interior do motor, a manutenção é muito reduzida”, diz.

“Há atualmente muita pressão para o uso de energias sustentáveis, cenário em que essa tecnologia pode ser uma opção. Contudo, o motor não apresenta grande eficiência energética e é preciso encontrar nichos de mercado para competir nessas comunidades”, diz Francisco Nigro, pesquisador e professor da Universidade de São Paulo.

Para mais informações clique aqui.


Fonte: EMBRAPA



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

14/08/2020 às 17:39

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2421 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey