Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


11/02/2010

Multinacionais Divulgam Suas Pegadas Florestais

Relatório inédito do projeto Forest Footprint Disclosure detalha o impacto de dezenas de empresas sobre as florestas mundiais, destaque para a falta de transparência das companhias brasileiras, que não divulgaram suas informações.

Como mostrou o estudo “Deforestation driven by urban population growth and agricultural trade in the twenty-first century ", divulgado no dia 9, o consumo é a grande força por trás do desmatamento. São as péssimas escolhas de produtos e alimentos por parte das pessoas que resultam no aumento da destruição florestal, pois incentivam empresas inconseqüentes a ampliarem seus pastos, áreas cultiváveis e a explorarem os recursos naturais das piores maneiras possíveis.

Para ajudar os consumidores a fazer escolhas mais conscientes e também informar aos investidores o que o seu dinheiro está promovendo foi publicado nesta quarta-feira (10) o relatório Forest Footprint Disclosure (FFD) - Annual Review 2009. Nele, 217 empresas foram convidadas a apresentar os dados do impacto de sua cadeia de produção sobre as florestas mundiais.

Gigantes como British Airways, BMW, L’Oréal, Weyerhaeuser, Adidas, Nike e Unilever participaram do projeto e liberaram suas informações. Já das 19 companhias brasileiras consultadas, apenas duas concordaram em divulgar sua pegada florestal: o grupo Independência e a Fibria. Empresas como Cosan, Copersucar e Marfrig preferiram ficar de fora.
 

O relatório ameniza a não participação de algumas companhias dizendo que essas informações podem ser classificadas como sigilosas. Além disso, o Forest Footprint Disclosure está em seu primeiro ano e é razoável um certo receio por parte das empresas.

“De uma forma geral, para o nosso primeiro ano, estamos felizes com o engajamento das empresas. Assim é possível traçar um retrato mais fiel entre o desmatamento e as commodities, informando as pessoas sobre essa questão”, afirmou Tracey Campbell, diretor do FFD. 

Relatório

Foram analisados diversos setores ligados ao desmatamento que utilizam as commodities da pecuária, madeira, óleo de palma, soja e biocombustíveis.

No setor de petróleo e gás, por exemplo, poucas empresas aceitaram participar do projeto. O que é decepcionante já que são empresas que fazem muita publicidade de suas “ações ambientais”. O destaque positivo foi para a finlandesa Neste Oil, por sua busca por óleo de palma de fornecedores que não provoquem desmatamento. Nesse setor, entre as que se negaram a responder estão British Petroleum, China National, além das já citadas Chevron e Exxon Mobil.

Com relação aos alimentos, apesar da busca por carne certificada já ser uma preocupação, isso ainda não é uma das principais prioridades. Existem muitos problemas com os fornecedores e muitas fraudes, o que é freqüentemente alvo de críticas pelas ONGs. Praticamente não existe compromisso com a compra de soja certificada. Nestlé, Unilever e Cadbury são alguns dos destaques positivos, já a Danone se recusou a participar da pesquisa. É nesse setor que mais aparecem as empresas brasileiras e todas, infelizmente, não liberaram seus dados. São elas: Companhia Brasileira de Açúcar e Álcool, Copersucar, Cosan, Crystalsev, JBS, Marfrig, Santaelisa Vale,São Martinho e Usina Coruripe.

O setor que mais teve participantes na pesquisa foi de cosméticos e itens de satisfação pessoal. Porém, ainda nenhuma companhia pode afirmar que 100% dos seus fornecedores não agridem o meio ambiente. Além disso, apesar de várias dessas empresas terem políticas para as mudanças climáticas, poucas fazem a relação entre o fenômeno e o desmatamento. A melhor performance no setor ficou com a L’Oreal. Bertin, Colgate e Johnson & Johnson estão entre as empresas que não responderam.

O Forest Footprint Disclosure - Annual Review 2009 analisou ainda outros setores, como materiais básicos e automóveis. O relatório apresenta também uma grande parte dedicada a criação de gado no Brasil, na qual é discutido o desafio de se manter o crescimento dessa indústria sem que isso resulte no avanço do desmatamento na Amazônia.

“Não haverá solução para as mudanças climáticas sem uma solução para o desmatamento. Nosso trabalho é mostrar para as companhias as responsabilidades delas em diminuir as pegadas florestais.”, concluiu Andrew Mitchell, presidente do Comitê Diretivo do FFD.


Fonte: CarbonoBrasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/03/2019 às 17:33

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1918 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey