Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


06/02/2010

Impactos Econômicos da Efetivação de Áreas de Proteção Ambiental

A dissertação de mestrado defendida, em 2006, por João Batista Lúcio Corrêa, do curso de pós-graduação em Ciência Florestal da Universidade Federal de Viçosa, fez uma avaliação de 47 propriedades rurais no município de Rio Pomba – MG.

 A dissertação de mestrado defendida, em 2006, por João Batista Lúcio Corrêa, do curso de pós-graduação em Ciência Florestal da Universidade Federal de Viçosa, fez uma avaliação de 47 propriedades rurais no município de Rio Pomba – MG. Constatou-se que, em média, 44% da área de cada propriedade deveria ser destinada à proteção ambiental, seja na forma de áreas de preservação permanente (margens de cursos d’água, entorno de nascentes e topos de morro), seja como área de reserva legal (20% da propriedade).

Se todos os agricultores da região deixassem de produzir nas áreas consideradas de proteção ambiental eles teriam a sua renda reduzida em R$341,83/hectare/ano, valor que corresponde ao custo de oportunidade da terra pela não utilização da área para produção. Segundo o professor Laércio Antônio Gonçalves Jacovine, do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, orientador da pesquisa, a efetivação das áreas de preservação permanente e das áreas de reserva legal pode inviabilizar economicamente as propriedades que praticam pecuária, a maioria na região, e, consequentemente, a sobrevivência dos produtores rurais que dependem exclusivamente desta atividade. Poderia levar à desistência da produção rural e à procura por outras formas de garantir renda, incluindo a ida para a cidade.          

O professor Jacovine ressalta ainda que os impactos econômicos dessa efetivação ocorreriam em cascata, prejudicando não só os agricultores, mas também os consumidores pela menor oferta de produtos. O município, o estado e a união seriam afetados pela menor arrecadação de taxas e impostos, e pela maior dependência dessas pessoas a assistências governamentais.


Fonte: Cleverson de Mello Sant’Anna



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

21/08/2019 às 16:30

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2210 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey