Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


06/02/2010

Impactos Econômicos da Efetivação de Áreas de Proteção Ambiental

A dissertação de mestrado defendida, em 2006, por João Batista Lúcio Corrêa, do curso de pós-graduação em Ciência Florestal da Universidade Federal de Viçosa, fez uma avaliação de 47 propriedades rurais no município de Rio Pomba – MG.

 A dissertação de mestrado defendida, em 2006, por João Batista Lúcio Corrêa, do curso de pós-graduação em Ciência Florestal da Universidade Federal de Viçosa, fez uma avaliação de 47 propriedades rurais no município de Rio Pomba – MG. Constatou-se que, em média, 44% da área de cada propriedade deveria ser destinada à proteção ambiental, seja na forma de áreas de preservação permanente (margens de cursos d’água, entorno de nascentes e topos de morro), seja como área de reserva legal (20% da propriedade).

Se todos os agricultores da região deixassem de produzir nas áreas consideradas de proteção ambiental eles teriam a sua renda reduzida em R$341,83/hectare/ano, valor que corresponde ao custo de oportunidade da terra pela não utilização da área para produção. Segundo o professor Laércio Antônio Gonçalves Jacovine, do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, orientador da pesquisa, a efetivação das áreas de preservação permanente e das áreas de reserva legal pode inviabilizar economicamente as propriedades que praticam pecuária, a maioria na região, e, consequentemente, a sobrevivência dos produtores rurais que dependem exclusivamente desta atividade. Poderia levar à desistência da produção rural e à procura por outras formas de garantir renda, incluindo a ida para a cidade.          

O professor Jacovine ressalta ainda que os impactos econômicos dessa efetivação ocorreriam em cascata, prejudicando não só os agricultores, mas também os consumidores pela menor oferta de produtos. O município, o estado e a união seriam afetados pela menor arrecadação de taxas e impostos, e pela maior dependência dessas pessoas a assistências governamentais.


Fonte: Cleverson de Mello Sant’Anna



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

12/12/2019 às 21:23

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2259 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey