Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Brasil Inicia 2010 com o Pé no Acelerador, Afirmam Economistas

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/12/2009

Brasil Inicia 2010 com o Pé no Acelerador, Afirmam Economistas

Perspectiva é de crescimento acima de 5% para o país no ano que vem. Expectativa de pressão inflacionária, porém, deve fazer o juro básico subir.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega (Foto: Renato Araújo/ABr )

O Brasil começa o ano de 2010 de maneira bem mais otimista do que em 2009, quando a economia mundial era fortemente afetada pela crise financeira. As perspectivas mínimas de crescimento são de 5%, segundo economistas, e os números já mostram que o país começará o ano novo com o pé no acelerador.

 

 

 

A Confederação Nacional da Indústria (CNI), por exemplo, prevê crescimento de 5,5% para o país em 2010. Qualquer que seja o número, ele deverá ser bem superior à expansão da economia mundial, que deverá situar-se em 3,1%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

 

 

 

Segundo Mantega, há analistas que estimam uma taxa de expansão dos investimentos da ordem de 20% em 2010. A previsão é do aporte de pelo menos US$ 200 bilhões de investimentos nos próximos anos. Neste cálculo, ele considera os investimentos do programa habitacional "Minha Casa Minha Vida", do trem de grande velocidade, da Copa e das Olimpíadas, além dos aportes em logística e infraestrutura. "Investimentos é o que não faltam", disse. 

 

Os reflexos, conforme os especialistas, deverão ser sentidos positivamente nos indicadores de emprego, renda e crédito.

 

 

Entretanto, o ânimo econômico deve manter o dólar em um patamar baixo, na casa de R$ 1,70, o que prejudica as empresas que vendem para o mercado externo e estimula as importações. Desta forma, o saldo comercial brasileiro tende a cair.

 

 

 

A CNI prevê que o superávit da balança comercial caia de US$ 25 bilhões, em 2009, para US$ 13 bilhões, em 2010. Já o mercado financeiro estima um superávit comercial de US$ 12 bilhões para o ano que vem. Para o Banco Central (BC), o saldo cairá para US$ 15 bilhões.

 

 

 

Longo prazo

 

 

Para o economista Miguel Daoud, o ponto central da discussão não é apenas o ano de 2010, mas a capacidade do país de sustentar a expansão no longo prazo. O economista diz que o PIB brasileiro pode crescer até 6% no ano que vem, mas os resultados posteriores tendem a ser afetados pelo nível de investimento ainda baixo e pelos gastos excessivos do governo.

 

 

"Temos que pensar na qualidade deste crescimento. Crescer 5% em 2010 é factível, não vejo problemas [em atingir esse patamar em 2010]. Mas a questão é o que isso significa, uma vez que a base de comparação [com 2009] é muito deprimida", explica Daoud.

 

 

 

Para o economista Alex Agostini, da consultoria Austin Rating, que prevê crescimento de 5,3% para o Brasil em 2010, à medida que o consumo se aquecer, a tendência é que as pressões inflacionárias voltem. Assim, o Banco Central será obrigado, já em meados do ano que vem, a aumentar a taxa básica de juros da economia, a Selic.

 

 

 

De acordo com o último relatório Focus de 2009, que reúne projeções do mercado financeiro para a economia, a Selic deve saltar dos atuais 8,75% para 10,75% até o fim de 2010. "O problema é a pressão inflacionária para 2011. O BC deve se antecipar a ela. Um problema dos países emergentes é esse 'stop and go' [para e continua]. Não temos condições suficientes para sustentar o crescimento no longo prazo", diz Agostini.

 

 

O economista diz que um aspecto positivo em 2010 será a retomada dos investimentos, uma vez que a capacidade ociosa da indústria está em queda. De acordo com a CNI, 61,8% das indústrias pretendem comprar mais máquinas e equipamentos. O valor médio de investimento da indústria de transformação deverá crescer de R$ 3,5 milhões, em 2009, para R$ 4,3 milhões, em 2010.

 

 

 

Emprego e renda

 

 

Com a economia aquecida, autoridades dizem que a geração de empregos será forte no ano que vem. De acordo com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, o ano de 2010 deverá ser o melhor da história na geração de empregos formais.

 

 

 

Segundo ele, pelo menos 2 milhões de empregos com carteira assinada serão criados. "O setor de serviços vai puxar, com construção civil muito forte e comércio acompanhando. Temos a Copa de 2014 e vamos ter FGTS para a infraestrutura", acrescentou. 

 

 

 

O governo vai aumentar o salário mínimo, atualmente em R$ 465, para R$ 510, a partir de janeiro. Isso deve ter um efeito positivo no poder de compra das famílias de baixa renda, cujos rendimentos são reajustados pelo piso.

 

O setor de serviços vai puxar, com construção civil muito forte e comércio acompanhando. Temos a Copa de 2014 e vamos ter FGTS para a infraestrutura.

 

 

Contas públicas

 

 

O setor público deverá registrar, em 2010, um rombo de US$ 40 bilhões nas contas externas, o maior desde 1947. Além da redução do saldo da balança comercial, pesará sobre o resultado o maior volume de remessas de lucros para o exterior. Segundo o BC, porém, a alta dos investimentos estrangeiros em 2010 deve financiar esse “rombo”.

 

 

 

O especialista em contas públicas, Amir Khair, diz que as receitas do setor público (governo, estados e municípios) voltarão a crescer em 2010. Segundo o economista, a carga tributária deverá crescer cerca de 1,5 ponto percentual em 2010 com a retomada da atividade econômica. “Também vão crescer as despesas. Quando cresce a arrecadação, também sobem as despesas”, disse.

 

 

 

Além disso, Khair estima que o superávit primário (recursos apartados para o pagamento de juros da dívida pública) deve voltar a subir em 2010, ficando próximo de 3,3% do PIB – em linha com a meta do governo para este ano.

 

 

 

 


Fonte: Portal Madeira Total/ G1



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/11/2018 às 12:02

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1578 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey