Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


13/10/2009

Macaúba Pode Ser Nova Alternativa para Biodiesel

Mais uma planta brasileira tem potencial para produção de biodiesel e começa a despertar o interesse dos pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Trata-se da macaúba (Acrocomia aculeata).

Mais uma planta brasileira tem potencial para produção de biodiesel e começa a despertar o interesse dos pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Trata-se da macaúba (Acrocomia aculeata), espécie nativa de florestas tropicais, e que aparece de forma espontânea em diversos estados das regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste. Minas Gerais e Goiás são os estados de maior concentração da planta.

Os estudos sobre as qualidades da macaúba foram apresentados pela Embrapa durante na 5ª Feira da Inovação Tecnológica (Inovatec), realizada entre 6 e 9  de outubro, em Belo Horizonte. Muitos visitantes ficam surpresos ao saber que dos coquinhos da macaúba pode-se obter biodiesel de qualidade.

A macaúba é utilizada em Minas Gerais com finalidades alimentares e para produção de óleo e sabão. Mas os pesquisadores da Embrapa estudam  como aproveitar de maneira econômica e sustentável os frutos dessa palmeira para a produção de biodiesel e de ração animal.

A Embrapa Agroenergia e a Embrapa Cerrados realizam um levantamento da ocorrência de maciços nativos de macaúba em Goiás e Minas. Os resultados desse estudo podem levar à definição de regiões para instalação de usinas de biodiesel. A investigação é financiada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Uma das razões para o grande interesse que essa palmeira desperta é a elevada produção de óleo, que chega a 5 mil litros/hectare. A extração do óleo é simples, feita por moagem e prensagem dos frutos, explica o pesquisador da Embrapa Agroenergia, Leonardo Bhering. O resíduo da extração, a "torta de macaúba" pode ser usada como fertilizante orgânico ou como ração para bovinos, caprinos e ovinos.

Em curto prazo será aproveitada a matéria-prima dos bosques nativos de macaúba para a produção de biodiesel. Para evitar o rápido esgotamento da fonte energética são estudadas práticas de extrativismo sustentável, com a realização de inventário detalhado na área de abrangência dos maciços, o planejamento da conservação e uso dos recursos genéticos disponíveis, o zoneamento do tipo de atividades permitidas e a definição de normas de uso da área, de acordo com a potencialidade do zoneamento para cada atividade.

Também são realizados estudos para obter sistemas de produção, onde a macaúba será cultivada em plantios racionais. Para isso, enfatiza Bhering estão sendo feitas pesquisas com melhoramento genético, plantio, adubação, espaçamento entre plantas e obtidas as informações necessárias para o estabelecimento de um sistema de produção.  Uma vantagem desse tipo de plantação é que podem ser produzidos alimentos (feijão, milho) durante a implantação da cultura e após quatro anos, quando as palmeiras atingirem a altura de 7 a 10 metros e estiverem em produção normal de frutos, pode-se plantar capim para criar gado. É um sistema integrado com bom rendimento, pois o gado se alimenta do capim e dos frutos que, eventualmente, caem das árvores e o esterco produzido pelos animais fertiliza as palmeiras.

Combinação de matérias-primas

A macaúba não deve ser utilizada como única matéria-prima para a alimentação de uma usina de biodiesel, pois o período de colheita dos frutos é de apenas quatro meses. Para que a usina possa funcionar durante todo o ano, será necessário utilizar outras oleaginosas, como soja, girassol, algodão, mamona e também sebo bovino. Cada uma das combinações de matérias-primas exige estudos e pesquisas específicos.

Uma proposta apresentada pela Embrapa é o estabelecimento de Arranjos Produtivos Locais (APLs) que possam atender a necessidade do suprimento contínuo de matérias-primas para a produção de biodiesel e que permitam otimizar o uso das terras e o balanço energético global.

Nesse tipo de APL será vantajosa a formação de associações ou cooperativas de produtores que instalem unidades de esmagamento das matérias-primas. O óleo vegetal extraído será transportado até a usina de biodiesel e as tortas resultantes da extração serão aproveitadas pelos próprios produtores das oleaginosas, tanto para alimentação animal, quanto para utilização como adubo. Com esse esquema, o raio de produção da matéria prima poderá ser ampliado, o que não seria econômico se a matéria prima integral fosse transportada ate à usina de biodiesel e a torta transportada de volta até as regiões produtoras.

Leonardo Bhering diz que a implantação de uma usina de biodiesel requer cuidadoso planejamento, com estudos de localização e de logística do abastecimento, da distribuição do biodiesel e dos sub-produtos. "É muito importante que seja garantida a disponibilidade de matérias primas para que a indústria possa funcionar o ano todo, garantindo a produção plena e custos mais baixos" conclui o pesquisador.


Fonte: Carbono Brasil. Por Daniela Collares



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


araci gali disse:

29/04/2014 às 13:22

Estou observando uma palmeira macaúba em frente de casa, vizinho, e se repente as folhas todas começaram a secar, de perto pude observar que o tronco está chorando, não sei se a seiva que esta expurgando.

Poderia me dizer porque?

agradeço e aguardo resposta

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4919 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey