Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>As dez maiores economias mundiais

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


15/03/2018

As dez maiores economias mundiais


O Banco Mundial, fevereiro de 2017, divulgou os Produtos Internos Brutos (PIBs) relativos ao ano de 2016, que foram os seguintes; os EUA com US$ 18,03 trilhões; a China US$ 11 trilhões; o Japão US$ 4,38 trilhões; a Alemanha US$ 3,36 trilhões; o Reino Unido US$ 2,86 trilhões; a França US$ 2,42 trilhões; Índia US$ 2,09 trilhões; Itália US$ 1,82 trilhão; o Brasil com US$ 1,77 trilhão e o Canadá com US$ 1,55 trilhão. Esses 10 maiores PIBs somam US$ 49,28 trilhões, e somente o dos EUA e da China, conjuntos, atingem US$ 29,03 trilhões ou 58,90% do total, e lideram em 2016. Entretanto, a Organização das Nações Unidas (ONU) reconhece 193 países, entre os desenvolvidos, emergentes, e os considerados pobres.

Assinale-se que a Alemanha, com um território de 357 mil km2, contra 586,5 mil km2 de Minas Gerais, arrasada na 2ª Grande Guerra Mundial, conflito terminado em 1945, consolidou um PIB de US$ 3,36 trilhões em 2016, e o Brasil, com 8,51 milhões de km2, obteve US$ 1,77 trilhões. Uma comparação apenas didática, tangencial, sem emitir juízo de valor, que sugere o quanto o País deve crescer ao reunir muitas condicionantes e possibilidades na disputa por outras posições de destaque entre as 10 maiores potências econômicas do mundo.

Ora, pode-se argumentar que a Alemanha é muito antiga, milenar desde sua origem primeira. Correto! Os EUA foram descobertos em 1492, e o Brasil em 1500. Uma diferença de apenas 8 anos, e abordagens mais consistentes cabem aos economistas e historiadores.

E mais; a participação desses 10 países na economia mundial é a seguinte; EUA, com 24,32%; China 18,84%; Japão 5,91%; Alemanha 4,54%; Reino Unido 3,85%; França 3,26%; Índia 2,83%; Itália 2,46%; Brasil 2,39%; e Canadá, com 2,09%. Assim, com base nesses dados, EUA, China, Japão, Alemanha e Reino Unido, somados, respondem por 57,46% das riquezas totais geradas no mundo em 2016. Configura-se uma visível concentração de poder econômico!

Além dos mercados pendulares ou não, esses países, conforme os recursos alocados, governamentais e privados, investem na ciência e tecnologia, educação, nas logísticas operacionais, e devem assimilar que a globalização para tecnologias, produtos e serviços, entre avanços e retrocessos, sinaliza ser um cenário vigoroso e competitivo no século 21. Além disso, muitos temas controversos serão colocados à mesa para debates, acordos e resultados pactuados, e que englobam também a produção de alimentos, distribuição e o consumo, as mudanças climáticas, a oferta de fibras, bioenergia, e a gestão das águas, com a adoção de boas práticas em nível de campo, e nas bacias hidrográficas, sustentáveis.

O Brasil, sem dúvida alguma, não ficará a reboque da história se houver determinação, coragem para mudar, lideranças autênticas, pesquisa de ponta, desburocratização, gestão para resultados, menos impostos, sociedade antenada com o futuro, e estimular a reconhecida capacidade do brasileiro para aprender via educação de qualidade e a troca de saberes, compartilhadas. São milhares de bons exemplos havidos e por haver nesse país continental!

E mais; nos cenários do agronegócio, lembre-se que na primeira metade da década de 1970 o Brasil era um importador de alimentos, até de feijão preto, do México, e desde então, os mercados e as inovações aqueceram as crescentes safras agrícolas, numa curva ascendente, assegurando o abastecimento interno e as exportações superavitárias. No ano passado, o superávit nas exportações do agronegócio brasileiro foi de US$ 81,86 bilhões, e a agricultura respondeu por 60% do crescimento do PIB nacional, que foi da ordem de apenas 1%. Tímido.

Outrossim, a pesquisa foi estratégica ao gerar as novas tecnologias indispensáveis para ser compartilhadas através da assistência técnica, pública e privada, com os produtores e empresários da agrossilvipecuária, que transformam os conhecimentos científicos em produtos agrícolas, pecuários e florestais nos domínios de milhões de estabelecimentos rurais no Brasil. Aqui não se fala de lucros e perdas, mas não há risco zero em nenhuma atividade econômica, e no campo não seria diferente. 


Fonte: Benjamin Salles Duarte - Engenheiro agrônomo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/07/2018 às 07:42

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


708 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey