Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


11/09/2017

Novo capítulo: venda da Eldorado Brasil em "xeque"

A investigação do procurador Rodrigo Janot sobre suposta omissão na delação acendeu uma luz amarela em credores e acordo já fechados.


Os compradores dos ativos vendidos pelo grupo J&F nos últimos dois meses estão apreensivos com a possibilidade de o acordo de colaboração premiada dos irmãos Batista e executivos do grupo ser revisto. Dentre os ativos colocados à venda, a fábrica de celulose Eldorado Brasil é a mais vulnerável em um eventual cancelamento do acordo de leniência da holding.

De acordo com o Jornal Valor Econômico, o que blinda os compradores dos ativos e as empresas vendidas de problemas decorrentes dos crimes cometidos pelos irmãos Batista é o acordo de leniência fechado com o Ministério Público Federal em Brasília.

Pela leniência, a holding J&F assumiu a responsabilidade pelos crimes cometidos e arcará sozinha com o pagamento da multa de R$ 10,3 bilhões em 25 anos. Assim, as demais empresas do grupo ficaram "limpas" e algumas, como Vigor, Alpargatas e Eldorado Celulose puderam ser vendidas a novos controladores para equacionar a situação financeira do grupo J&F.

No caso do acordo entre J&F e Paper Excellence para venda do controle da Eldorado Celulose, fechado no sábado, a sua finalização estaria condicionada à homologação da leniência.

Ainda segundo o Valor Econômico,a leitura inicial de alguns dos compradores, é que a leniência tende a ser mantida. Mas o risco de outro encaminhamento gerou apreensão. "A princípio, o procedimento aberto pelo procurador Rodrigo Janot pode, eventualmente, rever os benefícios de três colaboradores premiados. Então, não envolveria a rescisão da delação e, portanto, não envolveria a leniência", disse o advogado de um dos compradores de ativos. Essa é a hipótese mais provável na avaliação dos envolvidos. No entanto, há muitas dúvidas sobre o resultado do procedimento aberto, já que ele é inédito.

A Eldorado Celulose é investigada em três operações da Polícia Federal - Sépsis, Greenfield e Cui Bono? -, a empresa foi alvo de busca e apreensão em diferentes ocasiões e enfrenta uma a enfrenta uma ação judicial movida pelo doleiro Lúcio Funaro, preso e réu na Lava-Jato.


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/11/2017 às 12:53

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


227 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey