Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Índice mede impactos da mudança do clima

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


13/07/2017

Índice mede impactos da mudança do clima

Ministério lança, em Campinas, estudo com áreas mais vulneráveis ao agravamento das secas e capacidade de adaptação dos municípios.


A mudança do clima e os eventos extremos como ventos fortes e secas prolongadas tendem a ser mais intensos devido ao aquecimento global e vão afetar primeiramente as populações mais pobres do país, segundo previsões do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC). A partir desses dados, um estudo lançado nesta quarta-feira (12/07) no Fórum Brasil de Gestão Ambiental, em Campinas (SP), faz um diagnóstico, traça cenários prováveis dos impactos sobre as áreas mais vulneráveis e avalia a capacidade de adaptação dos municípios.

É o 
Índice de Vulnerabilidade aos Desastres Naturais Relacionados Ás Secas no Contexto das Mudanças do Clima, publicação elaborada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a WWF-Brasil. O trabalho traz o panorama analisado por região e por município, com avaliações da exposição às mudanças e eventos extremos, da sensibilidade relacionada ao contexto socioeconômico e ambiental e da capacidade de cada um de se adaptar aos eventos climáticos.

“Estar mais ou menos exposto aos desastres não significa que eles venham a ocorrer porque há vários outros fatores a serem considerados”, adverte Pedro Camarinha, da Adapta, Assessoria Ambiental e Pesquisa, um dos autores dos estudos. Baseados no que aconteceu em relação ao clima na localidade entre 1961 e 1990 e no quadro atual, o índice permite apontar as regiões mais vulneráveis. 
O estudo identifica as áreas mais sensíveis socioeconomicamente, levando em conta o uso do solo, a população total e a parcela abaixo da linha da miséria, além da oferta e uso da água para consumo humano e o tratamento dado aos mananciais. 

CAPACIDADE
Os dados analisados permitem, ainda, verificar qual a capacidade que cada município vulnerável tem para se adaptar aos eventos de seca. O trabalho leva em conta informações de indicadores como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o Índice de Gini (medidor da desigualdade social) e a taxa de analfabetismo. A região Centro Oeste, por exemplo, ainda não está entre as mais secas do país, mas poderá ser fortemente afetada no futuro, de acordo com o levantamento. 

No lançamento, a gerente Celina Mendonça, da Secretaria de Mudança do Clima e Florestas do MMA, anunciou que até o final do ano estará disponível, pela internet, um curso de capacitação em adaptação para os gestores municipais. Celina destacou, também, as medidas previstas pelo Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima, que reúne ações de todo o governo federal voltadas para as áreas vulneráveis e para enfrentar os impactos e a intensificação dos eventos extremos. Segundo ela, o Acordo de Paris, “embora seja direcionado para a redução de emissões de gases de efeito estufa, reconhece a importância dos planos de adaptação”. 

A analista ambiental Mariana Egler apresentou, ainda, um outro projeto de sistema informatizado que também mede o nível de vulnerabilidade. O trabalho foi realizado em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a previsão é  que esteja concluído e disponível no site do MMA até o fim deste ano.

O FÓRUM
O Ministério do Meio Ambiente (MMA) integra a programação oficial do Fórum Brasil de Gestão Ambiental, que ocorre até esta quarta-feira (12/07) em Campinas (SP) com a participação de cerca de 3 mil pessoas. Entre elas, estão representantes do governo federal, estados, municípios, setor privado e sociedade civil. O objetivo é debater os avanços, oportunidades e desafios relacionados à implementação das políticas ambientais brasileiras.


Fonte: Ministério do Meio Ambiente



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/07/2018 às 23:46

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


593 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey