Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/03/2016

Projeto de lei estuda preservação das bacias hidrográficas pelas hidrelétricas

A medida, que está no Projeto de Lei nº 56/2015, é considerada estratégica para promover programas de preservação ambiental das bacias hidrográficas exploradas. O investimento levará em consideração a receita operacional apurada no exercício anterior ao da aplicação.

Para tanto, as hidrelétricas deverão manter programas permanentes de proteção, melhoria e recuperação das disponibilidades hídricas superficiais e subterrâneas. O compromisso se estende à conscientização popular sobre a necessidade da utilização múltipla e sustentável desses recursos.
Segundo o autor do projeto, deputado Wagner Ramos (PR), a responsabilidade da preservação e da proteção ambiental é de quem utiliza os recursos naturais e dele se beneficia. “Não estamos propondo criação de fundo ou qualquer outro mecanismo para arrecadação de recursos, mas a sua aplicação direta – pelas próprias empresas – nas bacias hidrográficas em que ocorrer a exploração da atividade de geração de energia”, observou o parlamentar.
Segundo ele, o importante é a distribuição justa e equitativa do valor apurado. Significa que o município que consome mais água deverá receber maior aporte financeiro do que outro pertencente à mesma bacia hidrográfica, por sofrer maior impacto ambiental. Atualmente, existem duas usinas em funcionamento – a Hidrelétrica de Manso e a Pequena Central Hidrelétrica Canoa Quebrada. Em construção, estão as Usinas Hidrelétricas São Manoel e a de Sinop.
Do primeiro grupo, a UH de Manso está no Rio Manso, principal afluente do Rio Cuiabá, em Chapada dos Guimarães e Nova Brasilândia, e tem geração média de 212 MW. Já a PCH Canoa Quebrada está no Rio Verde – entre Lucas do Rio Verde e Sorriso. Tem potência instalada de 28MW, começou a operar em dezembro de 2006 e produz energia para abastecer uma cidade com 100 mil habitantes. Sua geração media anual é de 200.000MW.
Do segundo grupo, a UH São Manoel está em construção no Rio Teles Pires ou Rio São Manoel – entre Paranaíta e Apiacás (Mato Grosso) e Jacareacanga (no estado do Pará). Ela terá capacidade instalada de 700MW e será a segunda maior usina do Complexo Teles Pires. Já a UH de Sinop teve concluída 50% das obras da área de montagem em 2015. O reservatório abrangerá os municípios de Cláudia, Itaúba, Ipiranga do Norte, Sinop e Sorriso.


Fonte: Cenário MT / Adaptado por CeluloseOnline



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/06/2019 às 11:39

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


990 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey