Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/02/2016

Eldorado Brasil fala sobre a energia que vem do eucalipto

    A agenda do executivo José Carlos Grubisich, presidente da Eldorado Brasil, empresa de produção de celulose do grupo J&P Holding, controlado pela família de Joesley e Wesley Batista, tem ficado cada vez mais carregada de compromissos.
    Desde junho, quando começaram os trabalhos de expansão da fábrica localizada em Três Lagoas (MS), município que faz divisa com o Estado de São Paulo, Grubisich divide seu tempo entre a administração da atual produção de 1,7 milhão de toneladas de celulose, por ano, e a tarefa de colocar de pé uma nova unidade, ao lado da primeira, até o quarto trimestre de 2018.
    Nos próximos dois meses, ela literalmente sairá do chão. Quem transitar pela rodovia BR-158, na altura do quilômetro 231, poderá ver as primeiras estruturas de um projeto avaliado em R$ 8 bilhões. “Toda a base da fábrica está pronta, como terraplanagem, água pluviais e cabeamento entre as duas unidades”, diz Grubisich. “Até abril, com os parceiros tecnológicos escolhidos, iniciaremos a etapa da engenharia de detalhamento, que significa escolher o que há mais moderno em tecnologia de produção para otimizar custos”.
    Como parceiros, Grubisich se refere a gigantes multinacionais, entre eles a francesa Alstom, a alemã Siemens, a americana Andersen e a australiana Madison, que disputam a preferência da J&F Holding no fornecimento de maquinários e sistemas informáticos. A segunda linha está projetada para processa até 2,5 milhões de toneladas anuais de celulose, volume quase 50% superior ao atual.
    Por trás dessa estrutura fabril, o trabalho no campo também é frenético. A Eldorado está saindo de uma área cultivada de 220 mil hectares de eucalipto para 380 mil hectares, até o final de 2017. Nas últimas safras, a expansão em terras arrendadas tem sido de 50 mil hectares por ano. São 80 milhões de árvores plantadas a cada ciclo e certificadas pelo FSC, selo verde para negócios do setor, presente em cerca de 75 países. O gerente de Planejamento e Controle Florestal, Carlos Justo, diz que o plantio nessas áreas tem sido milimetricamente planejado.
    No final de 2015, por exemplo, a empresa finalizou o desenvolvimento de uma tecnologia inédita para definir com mais precisão as linhas de plantio das árvores. Com a ajuda de três Vants (veículos aéreos não-tripulados), GPS e piloto automático, a Eldorado quer aumentar a produção de celulose, por hectare, de cerca de 40 toneladas para índices acima de 50 toneladas.

    “Com o georreferenciamento, outros processos mecanizados podem futuramente ser automatizados, como irrigação, adubação e operações de controle de matocompetição, aumentando a produção por área”, diz Justo.

    A Eldorado também possui um projeto inédito no mundo, destinado à produção de bioeletricidade a partir do uso de tocos de raízes que hoje apodrecem no campo. De acordo com Grubisich, a ideia é construir termoelétricas, produzir excedente de energia e vender para a rede nacional. Hoje, a sobra é de 30 megawatts e com a segunda fábrica a estimativa deve ser de 210 megawatts. “Mas, se usarmos as raízes, produto, sustentável, de baixo custo e abundante, podemos vender ainda mais”, diz. O projeto piloto para análise de custo-benefício está implantado em uma área de 100 hectares.
    A Eldorado tem pressa porque briga por uma fatia de mercado dominado por empresas como a Fibria, a atual maior produtora mundial de celulose, com 5,3 milhões de toneladas anuais, a International Paper, Suzano, Klabin e Cenibra. Em 2015, a exportação total de celulose rendeu ao Brasil US$ 5,6 bilhões, ante US$ 5,3 bilhões em 2014. Em volume foram 11,9 milhões de toneladas, 900 mil toneladas acima do ano anterior.
    A demanda por celulose tende a ser crescente, impulsionada pelo consumo na China, país vem trocando seu modelo de desenvolvimento, baseado em exportação e infraestrutura, pelo consumo interno. Para Grubisich, a celulose tem se beneficiando com isso porque se encaixa como matéria-prima para produtos descartáveis, como fraldas, lenços e papéis higiênicos, que passaram a ser altamente consumidos em países emergentes.
    “Em 2014, a demanda de celulose no mundo cresceu 1,4 milhão de toneladas e para 2015, ela pode ter chegado a dois milhões”, afirma Grubisich. “Isso significa que o mundo precisa de uma fábrica de grande escala a cada ano e meio e a China, nosso maior cliente, não pode construí-las”. A Eldorado exportou 680 mil toneladas, 40% da produção, para o país asiático no ano passado.


Fonte: Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

09/08/2020 às 00:03

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2203 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey