Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


19/02/2016

CICacau entrevistou o professor Sebastião Renato Valverde

O professor Valverde possui graduação em Engenharia Florestal, mestrado e doutorado em Ciência Florestal pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é professor Associado III da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Política e Legislação Florestal, atuando principalmente nos seguintes temas: economia florestal, política florestal, legislação florestal, mercado florestal e setor florestal.

1. Em sua opinião a legislação ambiental brasileira é rigorosa?
Embora muitos considerem que a legislação ambiental brasileira seja rigorosa, minha vivência me leva a discordar. Na verdade, no tocante ao desenvolvimento sustentável, onde se alia produção com proteção, ela (a legislação) é de extremo rigor e “péssimo mal gosto”, uma tremenda barreira burocrática. Um belo exemplo disso, é a legislação ambiental mineira que transformou os processos de licenciamento numa tragédia cartorial e os analistas de meio ambiente em meros despachantes ambientais a ponto de emperrarem o progresso do estado, empobrecendo-o, sem a contrapartida do benefício ambiental. Vide os sucessivos casos de rompimentos de barragens - Samarco, Cataguazes de Papel, Bauxita em Miraí - e os temíveis índices anuais de desmatamento da Mata Atlântica. É uma legislação bonita de se ver, boa no papel, mas terrível na prática. Feita para “inglês ver”. Ela faliu as Alterosas.
2. O que poderia ser alterado na legislação ambiental brasileira para não prejudicar economicamente o produtor rural?
O que precisa ser feito, nem tão cedo será, embora acontecerá. O processo legiferante ambiental brasileiro é natimorto, dado que foi constituído numa fundamentação equivocada de que homem e natureza são imiscíveis. De que não é possível a produção com a proteção. Desta forma, a legislação foi fundamentada na essência filosófica de que, para se proteger, tem que separar o meio ambiente do ser humano, colocar os recursos naturais numa redoma. Em termos de meio ambiente, os legisladores não respeitam o princípio da presunção da inocência. Para eles, o homem é culpado até que ele próprio prove o contrário. Infelizmente, esta situação não poderia ter sido diferente. Toda a legislação ambiental foi cunhada, arbitrariamente, por pressões de ambientalistas xiitas, ideologicamente preconceituosos, retrógrados e patrocinados, via Ongs, por interesses exógenos que não querem o desenvolvimento econômico do Brasil. Por exemplo, para os legisladores, a produção de carvão vegetal é a principal causa do desmatamento, sendo que na verdade, é a expansão da agropecuária. Os legisladores não conseguem perceber que são nas regiões, onde a atividade predominante é a carbonização, que tem as maiores coberturas de vegetação nativa. Justamente porque, se os produtores vivem do carvão e que para fazê-lo depende de floresta, então, obviamente, tem que se mantê-la. É a velha máxima de que “ninguém mataria a galinha dos ovos de ouros se deles depende para viver”. Infelizmente, mesmo correndo o risco de ser rotulado de radical, extremista, mas não me resta a menor dúvida de que nossa legislação tem que ser refeita desde o “marco zero”. Não há como ter um instrumento legal perfeito se a sua hermenêutica foi equivocada. Se a raiz não presta, a árvore na dará bons frutos. Corta-se o mau pela raiz.
3. Como fazer cumprir a legislação ambiental no país?
Se o Direito não respeita a realidade, esta não o respeitará. Antes que se a lei crie obrigações, exija-se respeito para com os fatos, valores e culturas. Antes de se criar normas, primeiro que se conhecer os fatos e os valores. Se uma comunidade, rodeada de floresta, viveu da produção do carvão vegetal, não há conflito nisso que justifique uma legislação. Porém este não é o caso. No Brasil, o produtor de carvão virou vilão e, nessa onda, os legisladores constituíram um cipoal de leis que inviabilizou a vida nestas comunidades. Não havendo conflito, não há que se ter normas, regras. Em havendo, há que primeiro avaliar se este pode ser resolvido tecnicamente. Do contrário, ai sim se criem as normas de forma democrática e plural e se obrigue o seu cumprimento via fiscalização e monitoramento paralelo com a educação e a extensão ambiental. Do contrário, nem progresso e nem proteção.


Fonte: CICacau



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Italino Borssatto disse:

25/02/2016 às 19:36

Palavras fortes, consizas e direto ao ponto.Se eu tivesse o dom da palavra escreveria justamente o mesmo.
Nossa legisla??o ambiental se emiscui e degrada a atividade florestal, que como muito bem explicado pelo Professor Valverde, quem vive da atividade n?o a degrada.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1542 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey