Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


28/01/2016

Efeito do espaçamento, da idade e da irrigação nos componentes químicos da madeira de eucalipto

Artigo submetido à Revista Árvore v.39, n.1, p.199-208, 2015, de autoria de Jordão Cabral Moulin, Marina Donária Chaves Arantes, Graziela Baptista Vidaurre, Juarez Benigno Paes e Angélica de Cássia Oliveira Carneiro, relata sobre o Efeito do espaçamento, da idade e da irrigação nos componentes químicos da madeira de eucalipto.

Foto ilustrativa - Google
 Segundo Barcellos et al. (2005), a madeira deve possuir qualidades que atendam às adequadas características relacionadas ao seu uso final. A madeira de eucalipto, por sua versatilidade e produtividade, atende, na maioria dos casos, à necessidade como matéria prima e, principalmente, para fins energéticos para o país.

A definição da matéria-prima que maximiza a produção de biomassa para fins energéticos é foco de vários estudos que buscam proporcionar informações quanto às principais propriedades da madeira que influenciam as características energéticas, verificando a importância do estudo da influência de diferentes tratos silviculturais na produção e qualidade da madeira.

Os diferentes tipos de células da madeira são responsáveis por desempenharem funções específicas, tornando a madeira material heterogêneo. A composição química, física e anatômica da madeira varia entre espécies e, até mesmo, dentro da mesma espécie, e isso ocorre em razão de fatores ambientais, genéticos e da idade (TRUGILHO et al., 1996). Os principais componentes químicos da madeira são a holocelulose, lignina e extrativo, os quais influenciam as propriedades energéticas da madeira, posto que as cinzas são os componentes inorgânicos que compõem a madeira. Conforme Browning (1963), maiores valores de poder calorífico da madeira são obtidos quando ela possui alto teor extrativo e lignina.

Diante do exposto, o objetivo do trabalho foi avaliar a composição química de dois clones de eucalipto em diferentes espaçamentos e idades, ambos em região irrigada e não irrigada, para fins energéticos.
O material utilizado constituiu de dois clones de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla com idades de seis e 12 meses, provenientes de plantios em duas regiões, uma irrigada e outra não irrigada, com espaçamentos de 3 x 0,5; 1,5 x 2; 3 x 1; 3 x 2; e 3 x 3 m. Na análise química da madeira, foi realizada uma amostragem composta dos seis discos obtidos ao longo do fuste das árvores.

Com base nos resultados, conclui-se que as idades, espaçamentos e região irrigada e não irrigada influenciaram as propriedades químicas da madeira. Assim, pode-se inferir que os maiores valores de teor de extrativos ocorreram nos clones da região não irrigada e com idade de seis meses, não sendo verificadas influências dos espaçamentos.

O maior teor de lignina foi obtido no clone B aos 12 meses, na região irrigada. Os maiores teores de lignina estavam nos maiores espaçamentos, com exceção do clone A; com 12 meses, não foi verificada tendência de resultados do teor de lignina para a idade e região irrigada e não irrigada. O teor de holocelulose foi superior no clone A, sendo os maiores valores nos espaçamentos mais amplos e na idade de 12 meses. O teor de cinzas foi superior na idade de seis meses, sendo o maior valor no clone A aos 12 meses, na área não irrigada e nos espaçamentos mais amplos, embora não tenha sido verificado tendência de resultados nos diferentes espaçamentos e regiões.
 
Para er o artigo na íntegra acesse: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/14293


Fonte: Marcella Profiro Mazarele Gomes ? Bolsista BIC: Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

14/12/2017 às 06:03

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1798 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey