Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


19/01/2016

Avaliação do tratamento preservativo de moirões de eucalipto em diferentes soluções pelo método de substituição de seiva

Monografia apresentada à Universidade Federal, de Viçosa de autoria de Diego Mariano Vieira, relata sobre a Avaliação do tratamento preservativo de moirões de eucalipto em diferentes soluções pelo método de substituição de seiva

Foto ilustrativa - Google
Espécies de rápido crescimento como do gênero Eucalyptus, provenientes de reflorestamentos, tem sido uma boa opção para o uso em moirões. Todavia, grande parte da madeira proveniente deste gênero tem apresentado resistência moderada a organismos xilófagos, principalmente a cupins e fungos, em situações onde existe contato direto da madeira com o solo e a água, havendo assim a necessidade de preservá-las para aumentar sua vida útil (CSIRO, 1997).

Para impedir ou retardar a deterioração da madeira, diversas técnicas de preservação foram desenvolvidas ao longo dos tempos. Atualmente, são utilizados de forma frequente, produtos químicos hidrossolúveis que se fixam na madeira e a tornam mais resistentes à ação dos organismos xilófagos.

Dentre os métodos não-industriais de preservação da madeira, o de substituição da seiva destaca-se pela facilidade e simplicidade operacional, pelo baixo custo das instalações e pela possibilidade de ser realizado nas pequenas propriedades rurais (LEPAGE, 1986; PAES et al., 2005; RAMOS et al., 2006).

O método de substituição de seiva consiste em tratar peças roliças de madeira recém-abatida, com elevado teor de umidade e boa proporção de alburno. O método dispõe as toras descascadas verticalmente, com a base submersa em um tambor com preservativo hidrossolúvel (HUNT & GARRATT, 1967; MODESET et al., 2011)  e se vale do fenômeno da difusão e da capilaridade para promover a substituição da seiva presente na árvore pela solução que irá conferir proteção.

Quanto aos produtos hidrossolúveis, o borato de cobre cromatado (CCB) destaca-se no tratamento de madeira sem o uso de pressão, geralmente com a concentração em torno de 2,0% de ingrediente ativo/m3 (PAES et al., 2005; RAMOS et al., 2006; PAES et al., 2007; PAES et al., 2008 ; TORRES et al., 2011 ). É importante destacar que, além de características relacionadas à madeira e ao método de tratamento utilizado, a concentração de ingredientes ativos da solução influência na eficiência do tratamento preservativo, que é determinada principalmente pelos parâmetros penetração e retenção (PAES, 1991). Desta forma, a quantidade de produtos retidos na madeira depende diretamente da concentração da solução.

Diante deste contexto, ressalta-se a importância em testar concentrações distintas de produto preservativo para encontrar a quantidade que satisfaça as exigências asseguradas pela norma e, desta forma, reduzir os custos com a quantidade de reagentes que serão usados.

Neste trabalho, as árvores foram coletadas no município de Viçosa – MG e, produzidos a partir destas, moirões com comprimento de 2,2 metros, e com classe diamétrica variando entre 8 e 12 cm. Os moirões foram tratados por capilaridade e expostos às concentrações de 2, 3 e 4% de ingredientes ativos do produto CCB, durante 10 dias. Foram analisadas as penetrações e a retenção do produto em quatro posições na madeira tratada. As peças submetidas aos tratamentos obtiveram camadas de penetração satisfatórias, porém, os valores de retenção foram insuficientes para atender o exigido pela norma, inviabilizando assim o uso dos moirões tratados em situações onde ocorra contato com o solo, em todas as concentrações testadas.

Esse e outros estudos podem ser acessados no site da Biblioteca Digital Florestal.
Trabalho na integra disponível no link: 
http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br:80/handle/123456789/14947

 


Fonte: Milton Ribas da Silva Junior - Bolsista Bic: Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

30/04/2017 às 06:09

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site

Mercados de produtos florestais alternam entre estagnação e crescimento nos seus diversos setores em 2016. Saiba mais aqui.
 
Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

Uma meta, sem um plano para chegar lá, nada mais é do que um simples desejo.
Antoine de Saint-Exupery

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1857 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey