Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


16/06/2015

Agência pede fim de subsídio a combustível fóssil contra aquecimento

Relatório da Agência Internacional de Energia pede descarbonização global. Setor de energia é responsável por 2/3 das emissões de gases atuais.

Relatório diz que é preciso conter as emissões dos gases de efeito estufa do setor energético (Foto: Frank Augstein/AP)

O investimento em energias renováveis e a eliminação de subsídios aos combustíveis fósseis são a chave para a redução das emissões nocivas de gases-estufa e limitação da temperatura global em 2ºC, de acordo com um novo relatório divulgado pela Agência Internacional de Energia, a AIE, nesta segunda-feira (15).

A AIE apresentou o documento “Energia e Mudanças Climáticas” em contribuição para o debate das Nações Unidas do acordo para frear o aquecimento global, que deverá ser assinado no fim deste ano durante a COP 21, em Paris.

Segundo o economista-chefe da agência, Fatih Birol, o setor de energia é responsável por mais de dois terços de todas as emissões nocivas, à frente da agricultura e dos transportes, de modo que “qualquer acordo fechado em Paris deverá levar isso em conta”, explicou.

A instituição, que analisa a situação energética nos 29 países membros, ressalta que quaisquer compromissos apresentados até agora – o que inclui anúncios feitos pelos Estados Unidos, União Europeia e China – não serão suficientes para conter o ritmo atual de aquecimento.

O texto alerta que se não forem tomadas medidas mais fortes a partir de 2030, a temperatura global aumentaria 2,6ºC até 2100 e cerca de 3,5ºC até 2200.

Quatro pilares
Como principal recomendação aos países, o organismo propõe um plano de quatro pilares, em que a primeira meta é baixar as emissões a partir de 2020, quando o total de gases lançados na atmosfera deverá atingir seu ápice.

Para conseguir isso, a agência afirma que é preciso melhorar a eficiência energética, proibindo o uso de carros ou eletrodomésticos pouco eficientes, vetar a construção de novas usinas de carvão poluentes e aumentar o investimento anual em energias renováveis dos atuais US$ 270 bilhões (dado de 2014) para US$ 400 bilhões em 2030.

Também é preciso eliminar progressivamente os subsídios aos combustíveis fósseis, orçados em US$ 500 bilhões anuais e destinados, principalmente, ao Oriente Médio e Ásia.

O segundo pilar é a necessidade de avaliar os compromissos de cada país para conter a emissão de gases a cada cinco anos, já que as mudanças tecnológicas acontecem rapidamente e, por isso, são necessárias adaptações e melhoras nos planos nacionais.

A AIE propõe ainda, como terceiro ponto, um percentual de redução das emissões em escala global (algo entre 40% e 70%, conforme sugerido no encontro dos sete países mais ricos, o G7) e, como quarto pilar, estabelecer um mecanismo de contabilidade para monitorar o progresso dos países no cumprimento de seus compromissos energéticos.

IPCC - arte (Foto: G1)


Fonte: G1, em São Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Antonio de Pádua Nacif disse:

18/06/2015 às 01:55

Não dá para esperar por 2020 - 2030. As reduções devem ser imediatas.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1504 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey