Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


23/04/2015

Efeito do hidrogel em plantios de mudas nativas para recuperação de área degradada

Dissertação apresentada à Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília, de autoria de Marina Morais Monteiro, relata sobre o Efeito do hidrogel em plantios de mudas nativas do cerrado para recuperação de área degradada pela mineração no Distrito Federal.

No Brasil Central a degradação ambiental vem ocorrendo aliada à ocupação antrópica e principalmente ao avanço das fronteiras produtivas do agronegócio que, submetem o bioma Cerrado a altas taxas de desmatamento e de conversão do uso do solo (KLINK; MACHADO, 2005). Somado a isso, existe ainda a exploração direta de recursos minerais, que, na maioria das vezes, resulta em intensa degradação ambiental.

Sendo assim, a quantidade de projetos de reflorestamentos visando a conservação da natureza tem aumentado gradativamente. Em consequência, foi gerada grande demanda por estudos que busquem alternativas ecologicamente sustentáveis de diminuir os impactos negativos na natureza. Dentro dessa linha de estudos, o Hidrogel e o Modelo Nativas do Bioma (FELFILI et al., 2005) se destacam como alternativas em projetos de recuperação de áreas degradadas. O hidrogel pode atuar como condicionador do solo, contribuindo na retenção de umidade no solo e no fornecimento de água às plantas, especialmente em ocasiões de déficit hídrico, facilitando a sobrevivência e desenvolvimento de espécies vegetais. O Modelo Nativas do Bioma visa através do plantio misto, de espécies florestais e savânicas, facilitar a recuperação de áreas degradadas.

Diante deste contexto, o presente trabalho teve como objetivo estudar o efeito do hidrogel sobre as propriedades edáficas e sobre a sobrevivência e crescimento de mudas nativas do bioma Cerrado, em área de Cerrado sentido restrito, degradada pela exploração de areia, no Distrito Federal. Realizou-se o plantio de 1.210 mudas de 11 espécies nativas do Cerrado seguindo o Modelo Nativas do Bioma. O experimento foi instalado em 12 parcelas, seis pertencentes ao grupo controle e seis ao grupo tratamento, porém, uma das parcelas do grupo tratamento foi perdida por erosão, ficando o experimento com o total de 11 parcelas. O tratamento consistiu em aplicação 400 ml de hidrogel hidratado por cova de plantio. Durante 28 meses, em quatro ocasiões (aos 2, 8, 22 e 28 meses após o plantio) foram coletados dados de altura (H), diâmetro a altura do coleto (DAC) e sobrevivência das plantas. Analisou-se o crescimento das mudas através de dados de incremento em DAC e em H e a sobrevivência por contagem de indivíduos vivos em cada ocasião de coleta. Após 32 meses do plantio ocorreu coleta de amostras de solo indeformadas, para estudo da física do solo e deformadas compostas para estudo da química do solo. Essas amostras foram coletadas nas covas de indivíduos aleatórios da espécie C. langsdorffii do grupo controle e do grupo tratamento e fora das covas de plantio. Foi realizada análise de componentes principais (PCA) e testes não paramétrico de Kruskal-Wallis e de Mann-Whitney.

Os testes não revelaram diferença estatisticamente significante entre os grupos tratamento e controle tanto nas propriedades edáficas quanto no crescimento e sobrevivência, indicando que 400 ml do hidrogel não foram suficientes para promover efeito nas variáveis estudadas. Mas encontrou-se diferença estatisticamente significante entre as 11 espécies utilizadas no plantio, demonstrando que as mesmas se comportaram de maneiras diferentes entre si, independente do uso do hidrogel. Além disso, Mann-Whitney indicou que o parâmetro pelo qual as espécies mais si diferenciaram foi a sobrevivência. As espécies florestais apresentaram crescimento mais rápido que as savânicas, conforme previsto pelo Modelo Nativas do Bioma, porém, 28 meses não foram suficientes para promover o sombreamento da área e consequente eliminação das gramíneas invasoras. A sobrevivência total das mudas no experimento foi 71,6% sendo que, C. antisyphilitica, D. miscolobium e E. dysenterica apresentaram as menores taxas de sobrevivência. Enquanto que C. langsdorffii e I. laurina apresentaram as maiores taxas para o conjunto das variáveis sobrevivência e incrementos em altura e em diâmetro à altura do coleto. Quanto às propriedades físicas edáficas, a umidade volumétrica apresentou média de 7% e as químicas indicaram solo ácido de baixa fertilidade e baixos teores de matéria orgânica, fósforo, e soma de bases.

Trabalho disponível no link:
http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/13405
 


Fonte: Camila Maria Soares Batalha / BDTI II / Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

08/12/2019 às 02:29

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3082 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey