Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


07/04/2015

Efeito da umidade e da degradação térmica da madeira na emissão de gases de efeito estufa

Monografia apresentada à Universidade Federal de Viçosa de autoria de Wagner Davel Canal, relata sobre o Efeito da umidade e da degradação térmica da madeira na emissão de gases de efeito estufa no processo de carbonização.

Foto ilustrativa - Praça de Carbonização
A destinação de grande parte de produtos madeireiros vem se difundindo lentamente para a produção de carvão vegetal, que se caracteriza como sendo de baixa eficiência e impactante ao meio ambiente.

Ainda assim, as atuais tecnologias empregadas ao processo visam promover sustentabilidade à carbonização, recebendo apoio de pesquisas científicas e fomento de empresas siderúrgicas, visto que este setor é o maior consumidor deste produto (EPE, 2011).

No centro dessas questões relativas à produção de carvão vegetal, Soares (2011) considera a madeira de extrema importância nesse processo, sendo que o manejo de suas condições de campo e o apropriado controle do processo de carbonização incorpora à produção de carvão vegetal retornos financeiros consideráveis.

Diante deste contexto e tendo em vista a busca por um desenvolvimento energético cada vez mais sustentável, torna-se clara a importância de estudos e métodos de carbonização que proporcionem ganhos em rendimentos e diminuam os efeitos insalubres, principalmente no que tange a emissão de poluentes gasosos. Desse modo, o presente estudo objetivou avaliar o efeito da umidade da madeira na emissão de gases de efeito estufa do processo de carbonização. Utilizou-se madeira de Eucalyptus spp. com aproximadamente sete anos de idade, provenientes de testes clonais da Fazenda Guaxupé, situada no município de Divinésia – MG.

Foram determinadas a densidade básica, análise química estrutural e elementar e análise termogravimétrica da madeira (TG/ DTG). Foram realizadas carbonizações com secções de madeira contendo 0%, 20%, 40% e 60% de umidade, base seca, em mufla de laboratório sob aquecimento elétrico, com tempo total de 5,0 horas e taxa de aquecimento médio de 1,67°C. min -1 , analisando-se, por meio de um sistema de análise de gases (Gasboard 3100 Wuhan CUBIC Optoeletronics Co. LTDA) o conteúdo do gás liberado durante todo o processo até a temperatura de 450°C. Foram determinados os rendimentos gravimétricos em carvão vegetal, gases condensáveis, gases não condensáveis, teores de materiais voláteis, cinzas, carbono fixo, poder calorífico superior, densidade aparente e friabilidade. Os dados do delineamento inteiramente casualizado com quatro tratamentos (umidades) e três repetições (carbonizações) foi submetido à análise de variância (ANOVA) a 5% de significância. Quando estabelecidas diferenças significativas, aplicou-se o teste Tukey em nível de 95% de probabilidade. Para se relacionar o teor de umidade da madeira e o fator de emissão dos gases da carbonização (kg gás /tonelada de madeira), foram avaliados modelos de regressão e considerados os seus resíduos e coeficiente de determinação (R2). Conclui-se que o fator de emissão de dióxido de carbono, monóxido de carbono, hidrogênio e metano possui correlação significativa com o teor de umidade da madeira.

O trabalho completo pode ser acessado clicando aqui.


Fonte: Camila Maria Soares Batalha / BDTI II / Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/08/2019 às 09:34

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2536 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey