Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


17/12/2014

Setor de celulose e papel de MS projeta crescer até 2% em 2015

A expectativa do segmento é movimentar R$ 2,24 bi no estado. Estado deve ganhar nova indústria de produção de celulose

O Sindicato das Indústrias de Celulose e Papel de Mato Grosso do Sul (Sinpacems) projeta que o setor deve ampliar em até 2% seu faturamento no estado em 2015 frente a 2014, passando de R$ 2,20 bilhões para R$ 2,24 bilhões.

Conforme a entidade, o percentual de crescimento está dentro do que o segmento projeta em nível nacional, já que a estimativa é da ordem de 1,7%, sendo que a produção de celulose e papel também deve ter um ganho de produtividade de 2%. Os dados mais recenes mostram que o Brasil hoje é o 4º maior produtor mundial de celulose, com um volume de 16 milhões de toneladas por ano e em 10º na produção de papel com um volume de 10,4 milhões.

“Mato Grosso do Sul produz em torno de 17% do total de celulose e de 2% de papel”, detalhou o presidente do Sinpacems, Francisco Valério. Ele destacou ainda que o estado já ocupa lugar de destaque no ranking brasileiro do setor, mas que ainda necessita de um sistema permanente de preparo de mão de obra, e melhorias na logística, infraestrutura de negócios e condições tributárias.

Com 25 indústrias de celulose e papel instaladas e que juntas empregam 3.250 industriários, o segmento tem, conforme o Sinpacems, investimentos previstos Mato Grosso do Sul nos próximos anos. Entre esses empreendimentos está a instalação de uma fábrica de celulose no município de Ribas do Rio Pardo, sendo a terceira planta do segmento no estado, que já conta com a Fibria e Eldorado, as duas em Três Lagoas.

O projeto para Ribas do Rio Pardo é o da CRPE Holding (Celulose Rio Pardense e Energia), que será instalada próxima à BR-262, a cerca de 100 quilômetros de Campo Grande. O empreendimento deverá produzir 2,2 milhões de toneladas de celulose por ano e cogerar 291 MW (Megawatts) de energia elétrica, sendo consumidos na fábrica 151 MW e o restante de 140 MW excedentes poderão ser comercializados.

Também deve ser implantado um ramal ferroviário de dois quilômetros para permitir o escoamento da produção de celulose, que em grande parte será voltada para o mercado externo, e deverá conectar a fábrica com a Ferrovia Ferroeste.


Fonte: Agrodebate



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/10/2019 às 11:05

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1123 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey