Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Documento projeta exigências energéticas do Brasil em 2050

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/12/2014

Documento projeta exigências energéticas do Brasil em 2050

O Brasil deverá chegar a 226 milhões de habitantes em 2050. Desse total, quase 90% viverão em centros urbanos, em mais de 39 milhões de novos domicílios.

A economia e a frota de veículos leves no País deverão triplicar: o PIB per capita atingirá o patamar atual da França (entre US$ 36 mil e US$ 42 mil) e o número de carros pelas ruas brasileiras alcançará patamar da Alemanha (130 milhões).

Essas estimativas, que constam do documento Cenário Sócio-econômico e Demanda de Energia, elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), estão subsidiando a elaboração do Plano Nacional de Energia (PNE) 2050 do Ministério de Minas e Energia, que define as políticas energéticas do país e, consequentemente, os planos de investimentos futuros.

Além disso, levanta também algumas questões centrais: qual será e como nos planejaremos para oferecer a energia necessária para mover o Brasil do futuro?
 

Para o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME), Altino Ventura, teremos que fazer uma importante transição para garantir a energia elétrica necessária às próximas gerações.

“Tudo indica que, conforme sinalizou o PNE 2030, nós teremos que fazer a transição para a termoeletricidade, achando um caminho que combine três fontes: gás natural, carvão e nuclear. O potencial hidrelétrico brasileiro não tem condições de atender as demandas até 2050.”

Respondendo por 68% ou 86 GW de toda a energia elétrica ofertada no Brasil em 2013, a hidroenergia poderá alcançar até 174 GW, conforme indica o PNE 2030, documento finalizado em 2008.

Considerando que a capacidade instalada necessária para atendimento da demanda em 2030 é de 225 GW, os restantes 61 GW deverão sair de outras fontes. Para 2050, a necessidade será ainda maior.

A política energética brasileira já prevê a diversificação de suas fontes energéticas, aproveitando as características regionais, explica Ventura, e isso terá que ser intensificado.

“Nos próximos 10, 15 anos nós vamos construir as hidrelétricas na Amazônia, de maior porte; eólicas no Nordeste e um pouco no Sul, que tem potencial; vamos desenvolver biomassa do bagaço de cana em São Paulo; vai ter alguma coisa de carvão mineral no Sul; provavelmente vai ter gás no Sudeste e Sul por causa do pré-sal, fazendo uma matriz diversificada no País.”

O Plano Decenal de Expansão da Energia 2023, em voga, já reflete essa tendência. O percentual de hidroenergia na matriz elétrica brasileira vai cair dos atuais 68% para 59%, apesar de subir em números absolutos – 86 GW hoje para 121 GW em 2023. Dos 77,2 GW programados para serem instalados entre 2013 e 2023, 45% são de hidrelétricas, 26% de eólicas, 9% vem da biomassa e 5% da fonte solar.

Ou seja, 85% da expansão provém de fontes renováveis, mas, tendo como horizonte 2050, Ventura ressalta que isso não será suficiente. Teremos que usar mais energia termelétrica (gás natural, nuclear e carvão):

“Fica claro que o Brasil vai ter que usar todas as fontes energéticas. Eólica, solar, biomassa, conservação de energia, tudo isso vai ser feito, mas não se pode num país como o nosso, que tem um crescimento de [consumo de] 7 mil megawats por ano, se manter só com essas fontes, que têm problema de instabilidade da rede.”

Os dados do MME de 2013 indicam que o Brasil produz hoje 78,4% de sua energia elétrica por meio de fontes renováveis e 19,2% a partir de combustíveis fósseis, praticamente o inverso dos números globais, onde essa proporção é de 21,2% e 68,1%, respectivamente.

O PNE 2050 será finalizado no segundo semestre de 2015.


Fonte: Programa de Aceleração do Crescimento



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/11/2018 às 12:05

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1276 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey