Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/11/2014

Tomate tem a ver com floresta?

A propriedade em questão tornou-se referência regional em gestão, para produtores de diversos segmentos agroflorestais

Fernando Campos

Quem não gosta de uma boa pizza assada num bom forno a lenha? Para isso precisamos de dois ingredientes essenciais: um delicioso molho de tomate e uma boa lenha. Mas para que essa pizza chegue até nossas mesas, é necessário a resiliência dos produtores de tomate e a seriedade dos fornecedores de lenha.

A solidez dos produtores de tomate nesse segmento de mercado é sustentada, além do planejamento estratégico, pela gestão minuciosa de toda cadeia operacional, financeira e de pessoas das propriedades rurais.

Um produtor do sul de Minas Gerais, fornecedor protagonista de tomate para região de São Paulo, investiu em gestão operacional nas suas lavouras. Após um ano de muito trabalho e dedicação, o projeto apresentou índices de produtividade bastante representativos:

a) Situação antes do projeto: 1 homem / 2.000 pés de tomate;

b) Situação após o Projeto: 1 homem / 4.000 pés de tomate.

Além do expressivo aumento da produtividade e aperfeiçoamento da qualidade, hoje esse produtor encara novos desafios de mercado que tem de ser balizados por planejamento estratégico suportado pela gestão e controle das operações agrícolas. A propriedade em questão tornou-se referência regional em gestão, para produtores de diversos segmentos agroflorestais.

O setor florestal está cada dia mais exigente, tanto na óptica do consumidor quanto do produtor. “Fazer mais com menos” já é regra e não mais a exceção. A exceção está na visão sistêmica que além de considerar circunstâncias “da porteira pra dentro”, incorpora também as condições “da porteira pra fora” na administração das propriedades rurais.

Para o sucesso do investimento em florestas não bastam ótimas condições de trabalho, alta tecnologia e excelentes mecanismos de controle, é preciso controlar e gerenciar toda cadeia produtiva. Controle e Gestão quando juntos, são ferramentas fundamentais para que o produtor rural alcance ótimos índices de produtividade. Controle sem gestão é explorar tudo e não gerenciar nada.

Sobre o autor:

Nome:José Fernando Campos Ricardo

Formação:Engenheiro Florestal – UFSCar

Pós-Graduação:

Gerenciamento Ambiental – ESALQ/USP

Administração de Empresas – FGV

Sócio Proprietário: Cultvale Agroflorestal (www.cultvaleagroflorestal.com.br)


Fonte: Fernando Campos



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/09/2020 às 21:40

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1528 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey