Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


13/11/2014

A energia do carvão

Projeto piloto visa à geração de energia elétrica a partir da combustão de gases produzidos na carbonização de madeira e do aproveitamento de biomassa residual - Lucas Creek

O III Fórum Brasileiro de Carvão Vegetal, realizado em Belo Horizonte (MG) nos dias 22 e 23 de outubro promoveu uma série de apresentações, discussões e debates sobre temas inerentes à produção e comercialização do produto. Nesse contexto, o painel “Avanços tecnológicos da produção de carvão vegetal” traçou um panorama sobre o que há de mais inovador em estudos e pesquisas feitas para modernizar a cadeia produtiva do produto.
 
Integrando esse painel, o engenheiro florestal e gerente técnico da ArcelorMittal BioFlorestas Fabrício Poloni apresentou a palestra “Geração de energia elétrica a partir dos gases da carbonização da madeira”. Segundo o engenheiro, a maioria do potencial energético da madeira é lançado na atmosfera na forma de gases no processo de carbonização. “Apenas 33% da biomassa que colocamos dentro dos fornos se transforma em carvão, o restante é disperso na atmosfera por meio dos gases. Temos estudado o aproveitamento do potencial energético para geração de energia elétrica com concomitante redução dos gases de efeito estufa”, conta.
 
Poloni apresentou um projeto piloto que a ArcelorMittal BioFlorestas vem desenvolvendo desde 2010 em parceria com a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para a cogeração de energia elétrica. Chamado “Tecnologias integradas de beneficiamento de resíduos e transporte de gás de carbonização de biomassa para cogeração de energia elétrica com microturbinas”, o projeto pode parecer complexo, mas a ideia nem tanto. Trata-se de um sistema que utiliza gases provenientes da pirólise da madeira, além de biomassa residual obtida a partir de material descartado, como folhas, galhos, raízes e cascas. Os gases e esse material residual são transportados para um queimador e sua combustão ativa uma turbina EFGT – Externally-fired gas turbine – para produção de energia elétrica.
 
O sistema realiza o transporte aéreo de gases dos fornos até uma unidade de combustão por meio de tubos metálicos. Essa unidade também recebe a injeção da biomassa residual. O material sofre combustão no queimador e ativa o sistema EFGT gerando energia. O projeto foi instalado em 12 fornos em uma planta de carbonização que tem um total de 38 e que teria capacidade de gerar quatro megawatt MWh de energia elétrica. Para se ter uma ideia, se somada a capacidade de geração de todos os fornos da ArcelorMittal BioFlorestas, há condições de se produzir 30 MW por hora, energia suficiente para atender à demanda de aproximadamente 150 mil pessoas.
 
Para Fabrício Poloni, algumas das vantagens do projeto é poder gerar energia sem o uso de água, ao mesmo tempo em que se aproveita materiais que são descartados nos processos de produção de carvão vegetal. “O primeiro avanço é usar uma microturbina que não utiliza nada de água para aproveitar um gás que é relativamente pobre. Outro é o aproveitamento de resíduos. Quando se faz a colheita da madeira sobram folhas, galhos e cascas. Tudo isso é energia e pode ser utilizado para gerar eletricidade”, conclui.

As palestras do evento já estão disponíveis no link da SIF:
http://www.sif.org.br/evento/forum-nacional-sobre-carvao-vegetal


Fonte: Polo de Excelência em Florestas/ Interface



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

29/09/2020 às 01:01

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1667 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey