Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/07/2009

Inpe Diz que Não É Possível Afirmar que Desmatamento Será o Menor dos Últimos 20 Anos

O presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, disse ontem (17) que não se pode garantir que o desmatamento da Amazônia em 2009 será o menor dos últimos 20 anos, como vem afirmando o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. O dado anual, calculado pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) só deve der divulgado em novembro pelo Inpe.

Desmatamento da Amazônia

O presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, disse ontem (17) que não se pode garantir que o desmatamento da Amazônia em 2009 será o menor dos últimos 20 anos, como vem afirmando o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. O dado anual, calculado pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) só deve der divulgado em novembro pelo Inpe.

Segundo Câmara, por causa das nuvens, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), que gera relatórios mensais de alerta, não tem conseguido enxergar o Pará, atual campeão de desmatamento, o que só poderá ser feito com as imagens analisadas pelo Prodes. O sistema, que usa imagens de satélite mais precisas que as do Deter, vai  vai avaliar o desmatamento acumulado entre agosto de 2008 e julho de 2009.

“O Deter não viu o Pará. E é no Pará que está o maior dilema hoje, por causa do expansão da agropecuária, e não é mais em apenas uma região do estado, está avançando, atravessando rios. O Pará é preocupante,  e ainda não temos dados para afirmar como está o desmatamento lá [este ano]”, afirmou.

Câmara disse que a soja não é mais “um fator relevante e primário” para o desmatamento da Amazônia e citou a mudança ocorrida em Mato Grosso, que por anos liderou o ranking de derrubadas e tem apresentado tendência de queda no ritmo da devastação.  

O diretor, que já teve o trabalho de seu instituto criticado publicamente pelo governador de Mato Grosso, Blairo Maggi – que discordava dos dados – atribuiu a mudança de cenário do desmatamento no estado a ações de governança e acordos fechados com o setor produtivo. “A moratória da soja tem funcionado. A maior parte do desmatamento atual está associada ao binômio madeira/pecuária”, disse.

Para Câmara, a saída para frear o desmatamento da floresta está na busca de acordos semelhantes ao feito com os exportadores de soja e com exigência de transparência na aplicação de medidas do governo, como a regularização fundiária aprovada recentemente a partir da Medida Provisória (MP) 458.

O diretor do Inpe é contra a venda de créditos de carbono gerados com a conservação da floresta, mecanismo que pode fazer parte da chamada Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (Redd). O instrumento deve ser incluído no próximo acordo global sobre redução de emissões de gases do efeito estufa e prevê compensações para países que reduzirem as derrubadas e, com isso, evitarem que grandes quantidades de gás carbônico cheguem à atmosfera.

Na avaliação de Câmara, deixar que os países ricos paguem pelo carbono que deixou de ser emitido pelas florestas tropicais é dar um sinal verde para que as emissões nesses países continuem altas. “Acho que esse é um dinheiro sujo. É justo que você hoje receba o dinheiro e venda o futuro? Quem compra continua a poluir, e os nossos filhos e netos é que terão que conviver com o custo disso”, argumentou.
 


Fonte: Agência Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/09/2020 às 16:54

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3082 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey