Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/07/2009

Inpe Diz que Não É Possível Afirmar que Desmatamento Será o Menor dos Últimos 20 Anos

O presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, disse ontem (17) que não se pode garantir que o desmatamento da Amazônia em 2009 será o menor dos últimos 20 anos, como vem afirmando o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. O dado anual, calculado pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) só deve der divulgado em novembro pelo Inpe.

Desmatamento da Amazônia

O presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, disse ontem (17) que não se pode garantir que o desmatamento da Amazônia em 2009 será o menor dos últimos 20 anos, como vem afirmando o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. O dado anual, calculado pelo Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes) só deve der divulgado em novembro pelo Inpe.

Segundo Câmara, por causa das nuvens, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), que gera relatórios mensais de alerta, não tem conseguido enxergar o Pará, atual campeão de desmatamento, o que só poderá ser feito com as imagens analisadas pelo Prodes. O sistema, que usa imagens de satélite mais precisas que as do Deter, vai  vai avaliar o desmatamento acumulado entre agosto de 2008 e julho de 2009.

“O Deter não viu o Pará. E é no Pará que está o maior dilema hoje, por causa do expansão da agropecuária, e não é mais em apenas uma região do estado, está avançando, atravessando rios. O Pará é preocupante,  e ainda não temos dados para afirmar como está o desmatamento lá [este ano]”, afirmou.

Câmara disse que a soja não é mais “um fator relevante e primário” para o desmatamento da Amazônia e citou a mudança ocorrida em Mato Grosso, que por anos liderou o ranking de derrubadas e tem apresentado tendência de queda no ritmo da devastação.  

O diretor, que já teve o trabalho de seu instituto criticado publicamente pelo governador de Mato Grosso, Blairo Maggi – que discordava dos dados – atribuiu a mudança de cenário do desmatamento no estado a ações de governança e acordos fechados com o setor produtivo. “A moratória da soja tem funcionado. A maior parte do desmatamento atual está associada ao binômio madeira/pecuária”, disse.

Para Câmara, a saída para frear o desmatamento da floresta está na busca de acordos semelhantes ao feito com os exportadores de soja e com exigência de transparência na aplicação de medidas do governo, como a regularização fundiária aprovada recentemente a partir da Medida Provisória (MP) 458.

O diretor do Inpe é contra a venda de créditos de carbono gerados com a conservação da floresta, mecanismo que pode fazer parte da chamada Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (Redd). O instrumento deve ser incluído no próximo acordo global sobre redução de emissões de gases do efeito estufa e prevê compensações para países que reduzirem as derrubadas e, com isso, evitarem que grandes quantidades de gás carbônico cheguem à atmosfera.

Na avaliação de Câmara, deixar que os países ricos paguem pelo carbono que deixou de ser emitido pelas florestas tropicais é dar um sinal verde para que as emissões nesses países continuem altas. “Acho que esse é um dinheiro sujo. É justo que você hoje receba o dinheiro e venda o futuro? Quem compra continua a poluir, e os nossos filhos e netos é que terão que conviver com o custo disso”, argumentou.
 


Fonte: Agência Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

28/01/2020 às 20:47

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2895 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey