Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


14/08/2014

Consumo de madeira para fins energéticos em Moçambique

Tese apresentada à Universidade Federal do Paraná de autoria de Agnelo dos Milagres Fernandes, relata sobre a Análise da produção de madeira para o fornecimento sustentável de energia doméstica aos centros urbanos de Moçambique .

Foto ilustrativa.
             Moçambique está localizado na região Austral da África. É um dos poucos países na região que ainda mantém uma proporção considerável da sua cobertura com florestas naturais, todavia, apresenta uma elevada taxa de desmatamento. Nesse sentido, para assegurar redução da pressão sobre a floresta tropical nativa, o governo moçambicano decidiu em meados de 2005, promover plantações florestais com espécies exóticas de rápido crescimento.
             Na região da África Austral, mais de 90% das famílias rurais dependem do material lenhoso, incluindo lenha e carvão, para as suas necessidades de energia. Os combustíveis lenhosos, a madeira serrada, e o material de construção tradicional, representam o grosso da demanda de produtos florestais no país.
            Com o objetivo de desenvolver um modelo para explicar o consumo de madeira para fins energéticos, a fim de sugerir uma alternativa viável para o consumo nos centros urbanos de Moçambique, a Universidade Federal do Paraná desenvolveu o presente estudo.
            Foram aplicados questionários em três pontos geográficos de relevância para a região estudada. Consoante, foram comparadas as propriedades químicas da madeira e do carvão das espécies arbóreas nativas mais utilizadas na produção de carvão vegetal, com espécies plantadas de rápido crescimento. Outro fator analisado, foi o rendimento gravimétrico de acordo com o tipo de tecnologia para a produção de carvão vegetal. Em seguida, analisou-se as variáveis que compõem a matriz de consumo de combustíveis proveniente da madeira (carvão vegetal e lenha) como: número de famílias urbanas, biomassa aérea lenhosa e PIB corrente anual. Através da aplicação do modelo de regressão linear multivariada, prognosticou-se o consumo de madeira proveniente da floresta nativa para fins de energia doméstica por um período de 12 anos. Resultado este, comparado com a área necessária para suprir as mesmas quantidades usando carvão vegetal proveniente das plantações de eucalipto.
            Os resultados do estudo, mostraram que as propriedades químicas imediatas do carvão vegetal proveniente da madeira do gênero Brachystegia foram inferiores ao carvão vegetal proveniente do Eucalyptus saligna e Eucalyptus cloeziana. O modelo indica que para uma produção sustentável de carvão vegetal proveniente das florestas nativas serão necessários até 2022, 16.261.555,40 ha ou então 849.531,55 ha de plantações de espécies de rápido crescimento como o eucalipto. A compreensão do atual modelo energético e a proposição de um paradigma mais eficiente de queima do material lenhoso é crucial para o desenvolvimento sustentável de longo prazo da sociedade moçambicana e auxiliará na definição de políticas adequadas para diminuir a pressão sobre a floresta nativa.
 
Fonte: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/9372
Fonte da imagem: Própria tese
 

Josiane Almeida e Marina Lotti - BIC: Biblioteca Florestal


Fonte: Biblioteca Digital Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/08/2019 às 04:51

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1991 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey