Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/08/2014

Corte seletivo em florestas para exploração de madeira pode afetar a fauna

Google
Após revisar mais de 50 estudos, pesquisadores afirmam ter concluído pela primeira vez quais são os impactos do manejo florestal sobre a biodiversidade

Com o aumento do combate ao desmatamento, a madeira de árvores tropicais torna-se cada vez mais valorizada comercialmente. Assim, as práticas de corte seletivo, onde acontece a retirada apenas de determinadas espécies, geralmente de grande porte, são muito defendidas como uma forma menos danosa de ainda ter acesso a essas árvores.

Uma das justificativas para essa atividade é a de que são cortadas algumas espécies de árvores, com a floresta permanecendo relativamente intacta.

Entretanto, um novo estudo publicado na revista Current Biology alega que o impacto do corte seletivo sobre a biodiversidade é muito discutível, e que estudos anteriores que tentaram sumarizar seus efeitos não distinguiam entre os diferentes graus de intensidade da prática, resultando em conclusões conflitantes.

Ao confrontar esses estudos, os pesquisadores esperavam chegar a padrões mais gerais, e foi o que conseguiram.

A doutoranda do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (Suíça) Zuzana Burivalova e alguns colegas afirmam ter estudado pela primeira vez o quanto os impactos sobre a biodiversidade dependem da intensidade do corte.

Em uma revisão sistemática de quase 50 estudos independentes realizados nas últimas décadas, os pesquisadores concluíram que o agrupamento de muitos usos florestais diferentes sob a rubrica de corte seletivo resulta em um cenário impreciso. Eles acreditam que a visão atual sobre a atividade em florestas tropicais é muito otimista.

“Para a biodiversidade, é muito importante a cautela da atividade durante a derrubada, como muitos cientistas já mostraram”, explicou Burivalova.

“O que foi menos considerado anteriormente, e que mostramos agora em nosso estudo, é a importância da quantidade de madeira derrubada em uma floresta. Isso é crucial para a biodiversidade”, enfatizou ela.

O corte em pequena escala e de baixa intensidade teria um impacto ínfimo sobre a biodiversidade, se bem organizado e feito de forma cautelosa. No caso da exploração com escavadeiras e outros equipamentos pesados, Burivalova concluiu que os efeitos são geralmente vastos e que muitos habitats acabam destruídos.

O estudo aponta que vários cientistas já mostraram os efeitos negativos da exploração intensiva e que, no geral, a conclusão é que o número de mamíferos cai pela metade em uma intensidade de corte de 38 m3 ha−1, o equivalente a três ou quatro árvores por hectare.

Para os anfíbios, a diversidade cai pela metade com a exploração de 63 m3 ha−1. As análises também mostraram declínios para as populações de invertebrados, como borboletas e besouros.

Para as aves, os estudos mostram que, à primeira vista, a diversidade de espécies aumenta, com novos indivíduos migrando para a floresta. Porém, olhando mais de perto, é possível constatar que os novos habitantes são espécies que conseguem sobreviver até mesmo fora da floresta.

As aves especialmente adaptadas à floresta tropical, dependendo de uma gama limitada de recursos, respondem ao manejo como os outros grupos animais estudados.

“As atuais cotas de exploração são elaboradas predominantemente para manejar a floresta visando à produção sustentável de madeira, de tal forma que a floresta eventualmente regenerará o seu estoque”, explica Burivalova.

“Elas não são tipicamente manejadas para a manutenção da biodiversidade da fauna. Isso, em parte, é porque até agora não estava claro em qual ponto exatamente a diversidade nas florestas exploradas começa a cair.”

Com esta pesquisa, Burivalova e seus colegas pretendem contribuir para tornar o manejo menos prejudicial para a vida selvagem. Eles sugerem que os consumidores busquem informações sobre a madeira que estão comprando.


Fonte: Revista de Madeira - Remade



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/08/2018 às 21:56

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


974 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey