Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


30/07/2014

CNA apoia proposta de desoneração tributária na produção de alimentos.

Foto: Google Imagens

A desoneração da carga de impostos incidente sobre insumos, fertilizantes, produtos químicos e alimentos destinados ao consumo humano e também, medicamentos, conforme prevê a proposta de emenda à Constituição (PEC 491/2010), em tramitação no Congresso Nacional, tem o apoio da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). A posição foi oficializada pela entidade em estudo técnico apresentado à Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa a questão.

Para o Coordenador de Assuntos Econômicos da Superintendência Técnica (SUT) da CNA, Renato Conchon, a carga tributária brasileira incidente sobre o setor é extremante elevada, em comparação a outros países. “Os alimentos processados têm alíquota de 35% e os in natura, de 22%, enquanto a média internacional está em apenas 7%”, destacou.

A CNA apoia também uma emenda apresentada à PEC-491, incluindo a desoneração aos setores de insumos e fertilizantes utilizados na agroecologia, além de alimentos agroecológicos. Renato Conchon considera de extrema relevância para o país a redução da carga tributária incidente sobre a produção de alimentos. Ele citou estudo da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), estabelecendo para o Brasil a meta de produzir 40% de todo o alimento consumido no mundo, até 2050. Com menos impostos, o setor agropecuário brasileiro teria mais estímulo para produzir.

Baixa renda

Outra preocupação da CNA diz respeito à questão social. Dados apresentados à Comissão Especial, com base em informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), indicam que uma família de baixa renda (rendimento mensal inferior a um salário mínimo, hoje de R$ 724,00) gasta 40% de seu orçamento, por mês, na compra de alimentos. Nesse aspecto, diz Conchon, fica clara “a regressividade dos tributos indiretos que recaem sobre os alimentos devido a maior participação dos gastos com alimentos por parte das famílias de menor renda”.

Uma crítica recorrente aos produtores agrícolas brasileiros - serem responsáveis pelo país estar na liderança mundial no consumo de fertilizantes -, mereceu reparos da CNA em recente audiência pública realizada na Comissão Especial da Câmara. Os números indicam que o Brasil está em quarto lugar no ranking mundial de consumo de fertilizantes, atrás da China, Índia e dos Estados Unidos. A participação brasileira é de 6,5% no consumo mundial de fertilizantes, enquanto a China detém 29% do total e a Índia outros 16,5%.

Fertilizantes e produtividade

Mesmo assim, segundo a análise da CNA, o uso de fertilizantes na produção agrícola tem importância decisiva na melhoria dos índices de produtividade. Enquanto a produção de grãos no país na safra passada alcançou 187 milhões de toneladas – crescimento de 127% em comparação com 1990 -, a área plantada cresceu apenas 44% e a aplicação de fertilizantes outros 70%.

O Brasil, explicou Conchon, possui elevada dependência das importações de fertilizantes, especialmente os potássicos: 94% de todo o consumo é importado.

Criada em maio deste ano, a Comissão Especial que analisa a PEC 491/2010 realizou duas audiências públicas com a participação de representantes dos produtores rurais, da indústria, entidades de classe, além de técnicos da área tributária e pesquisadores. Na última delas, ocorrida este mês, a CNA foi convidada para o debate e apresentou suas ideias.

Na prática, a PEC-491, de autoria do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-RS), proíbe a União, os estados, os municípios e o Distrito Federal de instituírem impostos sobre alimentos destinados ao consumo humano e sobre medicamentos. Veda, também, a taxação de insumos agrícolas, fertilizantes, produtos agroquímicos e químicos destinados à produção de alimentos e ao setor pecuário.


Fonte: Assessoria de Comunicação da CNA / www.canaldoprodutor.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/10/2019 às 07:33

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


979 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey