Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


09/07/2014

IPEF lança novo programa cooperativo voltado a mecanização e automação.

O setor de florestas plantadas brasileiro passou a conviver nos últimos anos com a diminuição da oferta de mão de obra e com o aumento dos custos operacionais.

Foto ilustrativa.( Fonte: Google)

Frente a este desafio, as empresas florestais optam cada vez mais pela mecanização de suas atividades silviculturais, contudo, se deparam em dificuldades como: inexistência de máquinas e implementos apropriados para a realidade florestal, baixa eficiência operacional de equipamentos adaptados, além da ausência de capacitação da mão de obra destinada à operação destes equipamentos. Como resultado, muitas vezes torna-se difícil atender ao plano anual de plantio e, consequentemente, há um aumento no custo das atividades.

Para o atendimento desta demanda, muitas empresas destinam conhecimento e investimento para o desenvolvimento de soluções que atendam às suas necessidades, porém muitas vezes esbarram na escala de produção dos equipamentos e se veem compelidas a optarem por soluções menos onerosas, que possam ser desenvolvidas com menores investimentos. Estas soluções muitas vezes não atendem a expectativa das empresas e novos investimentos técnicos e financeiros têm de ser realizados.

Como alternativa a estas dificuldades compartilhadas pela grande maioria das empresas florestais hoje, o Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF) e suas empresas associadas, se uniram para criar uma rede cooperativa de desenvolvimento que busca conceber, testar e operacionalizar soluções na área de mecanização e automação silvicultural. Surgiu assim o Programa Cooperativo sobre Mecanização e Automação Florestal (PCMAF), que tem por objetivo identificar as principais demandas do setor e desenvolver soluções que atendam as expectativas das empresas, diminuindo custos, aumentando a eficiência operacional e a qualidade das operações.

Em busca de uma atuação mais dinâmica, o PCMAF desenvolverá grupos de trabalho para cada uma das linhas em desenvolvimento, assim como workshops com fornecedores de equipamentos para apresentação das demandas e estabelecimento de parcerias para o desenvolvimento destes. Para o gerenciamento das atividades diárias do grupo, acompanhamento dos testes, contato com fornecedores, entre outros, foi contratado pelo IPEF um coordenador técnico para o PCMAF, o eng. Eduardo Aparecido Sereguin Cabral de Melo.


Fonte: IPEF



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/06/2019 às 19:03

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1177 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey